terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Veronika Decide Morrer


No último domingo finalmente eu consegui terminar de ler este livro. E a demora nem foi por não estar gostando. Pelo contrário, gostei muito. Só não conseguia arrumar tempo para ler.
Aliás, acho que encontrei uma maneira de manter em dia as minhas leituras, (pelo menos vou conseguir ler os livros que estão na fila aguardando a vez). Toda noite (ou quase toda) sento-me na cama e leio, nem que sejam 20 minutos.  Por enquanto está funcionando.rsrs
Voltando ao livro... Ganhei de presente do Alexandre. No aniversário do ano passado. Como falei no início, eu o achei muito bom.   

Mas antes de fazer meus comentários vamos a sinopse: Aos 24 anos, a eslovena Veronika parece ter tudo: juventude e beleza, pretendentes, uma família amorosa e um emprego gratificante. Mas num dia frio de novembro, ela toma um punhado de remédios para dormir com a intenção de nunca mais acordar.
Só que ela acorda – e no Sanatório de Villete, o lugar de onde ninguém jamais havia fugido. Logo fica sabendo que só teria alguns dias de vida, e isso lhe desperta emoções até então desconhecidas.

Mas não foi o fato de saber que tinha poucos dias de vida, que fez com que fosse despertado em Veronika emoções antes desconhecidas. Foi o seu encontro com Mari, Zedka e Eduard. Mesmo com pouco tempo de convivência com eles, a experiência que eles passaram para ela, cada um contando a sua história de vida - antes de Villete, o que viveram ali e o que esperavam do futuro - fora de Villete, fizeram com que Veronika começasse a ver um outro lado, chegando a se arrepender por ter tentado tirar a própria vida. Só que agora era tarde demais! 
O que mais me impressionou nesta história, é de como consideramos que nós somos normais, e aqueles que vivem em sanatórios que são loucos. Não é bem assim! Eles só têm coragem de dizer a verdade... A "realidade" das coisas. 
Impressionou-me também saber que o livro foi inspirado em experiências próprias de Paulo Coelho, que escreveu Veronika decide morrer para questionar o significado da loucura e celebrar os indivíduos que não se encaixam nos padrões do que a sociedade considera “normal”.
Sinceramente, depois que li esse livro, fiquei pensando em quem é louco. Se são aqueles que estão nos sanatórios, ou se somos nós, que estamos aqui do lado de fora.rsrs
Nas duas próximas postagens, irei transcrever os trechos do livro que me fizeram refletir, e pensar dessa forma.
Postar um comentário