sexta-feira, 31 de maio de 2013

História Sobre Sonhos

Na antiga Roma, na época do imperador Tibério, vivia um homem muito bom, que tinha dois filhos: um era militar, e quando entrou para o exército, foi enviado para as mais distantes regiões do Império. O outro filho era poeta, e encantava toda a Roma com seus belos versos.
“Certa noite, o velho teve um sonho. Um anjo lhe aparecia para dizer que as palavras de um de seus filhos seriam conhecidas e repetidas no mundo inteiro, por todas as gerações vindouras. O velho homem acordou agradecido e chorando naquela noite, porque a vida era generosa, e havia lhe revelado uma coisa que qualquer pai teria orgulho de saber.
“Pouco tempo depois, o velho morreu ao tentar salvar uma criança que ia ser esmagada pelas rodas de uma carruagem. Como tinha se comportado de maneira correta e justa por toda a sua vida, foi direto para o céu, e encontrou-se com o anjo que havia aparecido em seu sonho.
“_Você foi um homem bom - disse-lhe o anjo. _Viveu sua existência com amor, e morreu com dignidade. Posso realizar agora qualquer desejo que tenha.
“_A vida também foi boa para mim - respondeu o velho.- Quando você apareceu em sonho, senti que todos os meus esforços estavam justificados. Porque os versos de meu filho ficarão entre os homens pelos séculos vindouros. Nada tenho a pedir para mim; entretanto, todo pai se orgulharia de ver a fama de alguém que ele cuidou quando criança e educou quando jovem. Gostaria de ver, no futuro distante, as palavras do meu filho.
“ O anjo tocou no ombro do velho, e os dois foram projetados para um futuro distante. Em volta deles apareceu um lugar imenso, com milhares de pessoas, que falavam uma língua estranha.
“O velho chorou de alegria.
“_Eu sabia que os versos do meu filho poeta eram bons e imortais – disse para o anjo, entre lágrimas. – Gostaria que você me dissesse qual de suas poesias estas pessoas estão repetindo.
“O anjo então se aproximou do velho, com carinho, e sentaram-se num dos bancos que havia naquele imenso lugar.
“_Os versos de seu filho poeta foram muito populares em Roma. – disse o anjo. – Todos gostavam, e se divertiam com eles. Mas quando o reinado de Tibério acabou, seus versos também foram esquecidos. Estas palavras são de seu filho que entrou para o exército.
“_O velho olhou surpreso para o anjo.
“_Seu filho foi servir num lugar distante, e tornou-se centurião. Era também um homem justo e bom. Certa tarde, um dos seus servos ficou doente, e estava para morrer.
Seu filho, então, ouviu falar de um rabi que curava os doentes, e andou dias em busca deste homem. Enquanto caminhava, descobriu que o homem que estava procurando era o Filho de Deus. Encontrou outras pessoas que haviam sido curadas por ele, aprendeu seus ensinamentos, e mesmo sendo um centurião romano converteu-se à sua fé. Até que certa manhã chegou perto do Rabi.
“_Contou-lhe que tinha um servo doente. E o Rabi se prontificou a ir até sua casa. Mas o centurião era um homem de fé, e olhando no fundo dos olhos do Rabi, compreendeu que estava mesmo diante do Filho de Deus, quando as pessoas em volta deles se levantaram.
“_Estas são as palavras de seu filho – disse o anjo ao velho. – São as palavras que ele disse ao Rabi naquele momento, e que nunca mais foram esquecidas. Dizem: ‘Senhor eu não sou digno que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e meu servo será salvo.’ “

Paulo Coelho - Em "O Alquimista", p.208-212

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Ele me enaltece

Esse meu amor é assim. Do nada me surpreende. Tarde de Segunda-feira, chuvosa, friozinho. A melancolia “batendo solta”. E então meus olhos vislumbram essas palavras, tão belas!
O que fazer? ... sorrir e chorar ao mesmo tempo.
O que dizer? ... as vezes o silêncio diz mais que mil palavras.


Toda "Obra de Arte", derivada de um trabalho artístico "de verdade", cujo autor é de uma genialidade incontestável, ao admirá-la nos enleva, fazendo-nos "sonhar acordados", subitamente invadidos por sensações de extrema paz e felicidade...

É o que você, minha amada esposa, "rara" e "especial", genuína "Obra de Arte" cujo criador é nada menos que..."Deus", me faz sentir... ao te ver, ao te tocar, ao te respirar...

E ter você como minha companheira "de vida", "Obra de Arte" a mim presenteada pelo "Criador" em forma de mulher (linda e maravilhosa!), significa ser "o mais rico" dos homens, o "mais feliz" dos homens...

Te amo!

Zé Olímpio – 27 de maio 2013 – 15:10h

Primos... mais que amigos

Essa moçada me surpreende. Eu fico aqui, tentando escrever e de repente vejo eles, assim, do nada expressando seus sentimentos da forma que considero mais bela... escrevendo.
Vou compartilhar aqui no meu Blog uma declaração do Gustavo (meu sobrinho) para o Danilo (meu filho), fiquei emocionada quando li.
Ele escreveu no Facebook no dia 16 de maio. Detalhe: não era aniversário do Danilo. 

Danilo à esquerda e Gustavo à direita.

Maninho, a cada dia que passa admiro mais e mais você. Amigo de verdade, que corre pelo certo, que me apoia quando preciso, que eu sei que posso confiar, sei que talvez o tempo tenha separado a nossa amizade, cada um tendo que caminhar pra um lado, mas tenha certeza que jamais vou esquecer dos velhos tempos em que virávamos a noite jogando video-game, lutando ou falando sobre vários assuntos. Das vezes que jogávamos futebol, mesmo time, dupla que ninguém parava e que todos invejavam. Nunca irei me esquecer também, de todas as vezes que precisei de você e você me ajudou sem pensar duas vezes. Você deveria ter orgulho de si mesmo, por ser assim, mesmo cheio de problemas consegue deixar tudo de lado pra arrancar sorrisos dos outros, seja da família ou dos amigos, por se doar ao trabalho mesmo em feriados e finais de semana e arranjar um tempinho pra jogar conversa fora. Nunca deixe que NINGUÉM te rebaixe ou fale que você não é bom o suficiente, tenha força pra continuar na caminhada, e quando não tiver forças, saiba que estarei aqui pra retribuir tudo que já fez por mim. Fica com Deus Irmão!
Gustavo Itou

terça-feira, 21 de maio de 2013

Casar pra quê?

Casar pra quê?
_ Por que ele quer ver uma peça com esse tema? Confesso, foi o que pensei quando o Zé falou de irmos ver.rss Dei uma olhada na sinopse (abaixo) que ele me enviou e achei que seria legal. Comédia romântica e, em um teatro que a gente ainda não conhecia. Também não conhecia os atores, somente o Eri Johnson que dirige. Tudo novidade! 

A peça:
Durante 70 minutos, os atores mostram no palco inúmeros conflitos de ideias, pensamentos e atitudes existentes entre um casal completamente apaixonado, fazendo com que a plateia se identifique intimamente com quase tudo que está acontecendo ali. E diante de tantas situações engraçadas, não tem quem não se espelhe em uma ou várias delas e o público acaba rindo de si mesmo.

A comédia romântica estreou em 2007 e já foi assistida por mais de 300 mil espectadores. Desde 2012, conta com novo cenário, novos figurinos e novos quadros. O já consagrado ator e comediante de teatro e televisão Eri Johnson é quem assina a direção dessa comédia escrita por Alessandro Anes, que também atua na peça ao lado de Michelle Martins.

Para criar a peça, o autor começou a observar trechos de conversas de bar, papos pelos corredores e foi colecionando pérolas do complicado relacionamento entre homens e mulheres. Fez então uma seleção do que considerou o mais absurdo, mais engraçado e, quando se deu conta, já tinha pronta a história de um casal que representa todos os outros: ela vendo a vida de um jeito que para ele é totalmente maluco e ele querendo curtir de uma forma que para ela é inadmissível.
E o mais louco de tudo: ela é louquinha por ele e ele não vive sem ela. Ela gosta de ir ao shopping, falar horas com as amigas no telefone e não perde um capítulo da novela. Ele não dispensa um futebol com a galera, uma cerveja gelada e, claro, adora falar mal da sogra. Situações como essas fazem parte da vida de todo casal e é mostrada por esses dois jovens que formam um hilário casal. O que é mais incrível é que eles não se largam.

Na peça eles são Ana Lucia e Pedro Paulo. Ela é muito bonita um mulherão, mas também muito louca, as vezes estressante, tinha hora que era bem chata.rss Acho que eu não teria tanta paciência como ele tinha, mais um pouco e dava uns petelecos nela. Verdade, tanto que em um certo momento ele reclama (se dirigindo à Deus) por não ter uma lei que o protegesse (citou a lei Maria da Penha).rss
Ele é meio maluco, crianção, chorão, um coitado, sofre na mão daquela mulher. Fiquei com pena dele. Acho que todos ficaram.rss
Aliás, estou aqui pensando... meio machista essa peça.  Concordo que mulher quando quer ser chata ninguém aguenta. E como se não bastasse ainda tem a TPM pra colaborar. Coitado dos homens.
Realmente, as situações, as conversas em alguns pontos nos remetem ao nosso casamento. No meu caso, lembrei de alguns estresses do primeiro casamento.
Hoje estou mais madura, menos chata.rss Foi bom ver essa peça assim fico de antena ligada nas picuinhas que fazemos e que chateiam o companheiro.
Quanto aos atores, como falei anteriormente, não conhecia o trabalho deles. Ganharam minha admiração, são muito talentosos. Deram um show de interpretação. esbanjaram competência na expressão corporal, nos gestos.
Foi hilário ver o ator dançando em uma noite que queria provocar a esposa (inconformado por ela tê-lo colocado pra dormir no sofá).
Ela, quando começou a tremer em um momento de tensão... demos muita risada.
Uma peça que recomendo, até mesmo pelas surpresas, pois pelo que percebi (até mesmo pelo que consta na sinopse) tem sempre um quadro diferente. Confirmado pelo final que foi improvisado, inesperado. Pelo menos para a atriz.rss
Dá até vontade de voltar nos outros dias para ver o que ele inventou.
Os atores ficaram muito felizes e agradecidos, a gente podia ver a expressão de surpresa deles por ver o teatro lo-ta-do e uma platéia tão receptiva. Comentaram isso.
Eu me emocionei por eles, fiquei feliz, cheguei a arrepiar. Deve ser muito gratificante para um ator ser reconhecido profissionalmente.
Desabafo: Aliás, é bom pra qualquer um ser reconhecido, profissionalmente. Pena que na vida real  não recebemos aplausos, temos que nos dar por satisfeitos "quando" e "se" somos reconhecidos ou valorizados.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Primeiro carro do Bruno

Ontem o Bruno retirou o carro (o primeiro carro dele) da loja. Foram meses pesquisando, procurando a melhor oferta. Até que finalmente encontramos um, com prestações que se encaixam no orçamento dele.
Estou feliz por ele ter dado mais esse passo. Sinal de amadurecimento, responsabilidade, independência. Quero isso, que ele seja independente, que tenha um pouco de ambição, mas no fundo, o coração bate apertadinho.
Sei que minha preocupação não tem fundamento. Mas o que fazer? Ainda o vejo como uma criança, coisa de mãe.rss
Estou feliz e também apreensiva. Sei que posso confiar nele. Ele é obediente, escuta o que a gente fala, é sossegado. Meu temor não é por ele e sim pelas barbaridades que acontecem nas ruas.
O Bruno é um rapaz muito bom, difícil alguém não gostar dele, também, não sabe falar “não” para as pessoas, acolhe quem pode, faz o que pode para ajudar os outros. Diante do exposto, fico temerosa.
Coitado, nem pegou o carro e já ouviu um monte. Ainda tem mais pra gente falar (o Zé tem um pouco mais de experiência nesse assunto), mas acho melhor ir despejando aos poucos, caso seja necessário. Espero que não!
Bom, já o alertei sobre os gastos que infelizmente acompanham o carro, IPVA, Licenciamento, Seguro, etc, etc.
Não que eu queira preocupá-lo, “melhor prevenir do que remediar”, diz o ditado.
Ele é meio desligado dessas coisas, é aquele tipo de pessoa que acha que carro é só pegar e sair por aí.rss
Bom... agora é com ele! A mim, só cabe pedir à Deus que o abençoe e proteja nessa caminhada que está apenas começando.

Neste site que gosto muito de visitar tem muitas matérias sobre carros, separei algumas:

Você compra seu carro por necessidade, status ou pelo preço? Ou tudo isso?

Carro: sonho ou pesadelo? Você decide!

Carro não é investimento. Ponto.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Meu aniversário



"Aniversário é uma festa
Pra te lembrar
Do que resta."
 Millôr Fernandes


Sábado foi meu aniversário. Comemorei mais um ano de vida, ou menos um.rss
Eu gosto muito de fazer aniversário. Isso vem desde pequena. Sabia que nesse dia eu não levava bronca, não apanhava. Era o dia que eu era mimada.
Não lembro se tinha festa, acho que não, minha mãe não tinha condições. E se fizesse pra um tinha que fazer para os oito. Mas presentes, sempre ganhava, lembro de um ou outro.
Eu gosto muito de fazer aniversário. Gosto também de comemorar, e comecei a fazer isso já na adolescência. Tinha algumas (poucas) amizades, do bairro e do trabalho. Comemorava com eles, nessa fase a gente dá mais importância à eles que à família.
No trabalho, geralmente o patrão comprava um bolo e refrigerante, e os colegas juntavam um dinheirinho pra comprar um presente. Em todos foi assim.
Enquanto estava casada e mesmo separada, fazia um bolinho e algo salgado, para servir para quem fosse me cumprimentar.
E hoje, casada novamente, pra variar um pouquinho, continuo comemorando.rss
Ô mês lindo! Gosto do mês de Maio, e não é só por mim. Maio, além de ser o mês do meu aniversário é também o mês das Mães, das Noivas, de Nossa Senhora de Fátima, da Libertação dos escravos, do Padre Marcelo Rossi (que foi muito importante em minha vida), do Papa João Paulo II, para mim, esses motivos são mais que suficientes para eu defender este mês, com unhas e dentes.rss
Com muita alegria comemorei mais um aniversário, acompanhada de pessoas que amo (marido, filhos, mãe...). Ganhei vários presentes: um relógio da Letícia (diferente dos outros dois), um livro do Bruno (tinha escolhido na loja que ele trabalha), um livro do Zé (O Diário de um Mago... este eu não tinha idéia que iria ganhar), calendário, blusas, meia, cosméticos e um tapete de crochê. Ganhei também um "super" vale presente do Zé, que trocarei logo logo.
E lá se foi mais um aniversário, mais um ano de vida... bem vivido, graças a Deus!
E que venham outros, esperarei ansiosa... acho.rss

quinta-feira, 9 de maio de 2013

O Alquimista



Santiago é um rapaz, pastor de ovelhas, que após ter o mesmo sonho por mais de uma vez resolve procurar uma cigana para revela-lo.Descobre que deve buscar um tesouro que estava guardado próximo as pirâmides do Egito. Ele vende suas ovelhas e sai em busca de seu tesouro.
Durante essa busca ele vive muitas aventuras, conhece um rei, é roubado, se torna vendedor em uma loja de cristais, conhece muitas pessoas.
E é durante uma parada no deserto que o rapaz conhece o alquimista e encontra a mulher da sua vida. Ao prosseguir a travessia pelo deserto em busca do seu tesouro, o rapaz pensa em desistir  (já tinha um bom dinheiro e tinha encontrado seu grande amor), mas é alertado pelo alquimista de que, se desistisse, ficaria feliz por um tempo mas morreria aos poucos por não ter realizado sua Lenda Pessoal.
Então ele prosseguiu. Por ser persistente, por acreditar em seus sonhos, nos sinais e principalmente por querer encontrar seu tesouro e assim cumprir sua Lenda Pessoal, esse rapaz passa por muitas adversidades, onde o medo só não é maior diante da pureza do seu pensamento e a confiança no seu coração.


“Onde estiver seu tesouro, ali estará também o seu coração.”- O alquimista


Nunca demorei tanto para escrever algo sobre um livro. Geralmente termino de ler e escrevo o que penso, sem receios. Confesso que fiquei meio confusa, ler palavras como Lenda Pessoal, Alma do Mundo, e algumas outras fogem um pouco da minha compreensão. Imaginar uma cena, como a do rapaz conversando com a areia do deserto, com o vento, com o sol então, é muita magia. Essa área mística, esse mundo da magia nunca foram o meu forte. Sempre me limitei a ler livros do gênero auto-ajuda, policial, romance, de literatura, etc. Deste gênero, é o primeiro. Do Paulo Coelho é o segundo. Talvez por isso, não quis ler logo que ganhei. Na época tinha conhecimento de que o autor era um Mago e achei que poderia não entender nada. Na ocasião eu seguia fielmente a religião católica, poderia ser influenciada. Era o que eu pensava. Hoje não tenho preconceitos, tenho aprendido muito nesta minha vida. Então, diante de tudo isso posso ter interpretado algo errado mas enfim,  extrai algumas lições, alguns ensinamentos para carregar no meu dia a dia.
O principal deles é de que nem tudo é, o que parece ser. Que nem sempre o tesouro é, “um” tesouro. Está certo que na história existia mesmo um tesouro, mas, foi procurando errado, que o rapaz cumpriu sua Lenda Pessoal, encontrou a si mesmo, descobriu a Alma do Mundo, conheceu a sua amada. Isso sim é um tesouro!
Vou procurar aceitar (sem discutir) os presentes que a vida venha a me oferecer. Comecei a pensar assim depois de ler um trecho (quase no final) onde um monge após receber um pedaço de ouro do alquimista diz:
_Estou recebendo um pagamento além da minha generosidade- respondeu o monge.
E o alquimista responde:
_Jamais repita isto. A vida pode escutar, e lhe dar menos da próxima vez.
Não que eu esteja querendo me gabar, dizendo que sou generosa.rss Mas que é meu costume achar que estou sempre recebendo mais do que mereço.
Com certeza ficarei mais atenta aos sinais de Deus. E, tentarei dar maior atenção aos sonhos, se bem que na história, em dois momentos a revelação dos sonhos não foi clara, ou foi incompleta, ou mal interpretada... no sonho do rapaz e na história contada pelo alquimista sobre o pai e seus dois filhos: um poeta e o outro militar.
Diante disso fico a pensar se devemos confiar (plenamente) em nossos sonhos ou o que deles é revelado.


Como sempre faço, escolhi este trecho que gostei muito:

“Iluminadas pela luz da lua cheia e pelo branco do deserto, erguiam-se majestosas e solenes A pirâmides do Egito. O rapaz caiu de joelhos e chorou. Agradecia a Deus por haver acreditado em sua Lenda Pessoal, e por haver encontrado certo dia um rei, um mercador, um inglês e um alquimista. Sobretudo por haver encontrado uma mulher do deserto, que lhe tinha feito entender que o Amor jamais vai separar o homem de sua Lenda Pessoal.”

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Maurício Manieri

Me tornei fã do Maurício na década de 90, logo que ele despontou na mídia. Na época eu cantarolava o dia todo. Gostava de todas as músicas do CD, “Meu Bem Querer” era a minha preferida.
No dia 11 de abril de 2012 (já sabendo o quanto eu gostava dele) o Zé viu no jornal que o Mauricio faria um Pocket Show na FNAC, para divulgação do DVD “Celebrar”.
Era uma quarta-feira, eu tinha que ir na faculdade entregar um trabalho. Fiz isso e fomos para o shopping. Chegamos em tempo de ver ele cantar (sentadinho, tocando no seu teclado) mais umas seis músicas.
No final ele autografou o DVD/CD (que foi vendido ali mesmo) e tirou fotos com as(os) fãs. Primeira vez que eu o vejo pessoalmente, suspiros.rss Superou minhas expectativas. Maurício é muito talentoso, toca, canta e fala com propriedade, um excelente cantor, dono de uma voz singular. Tem um jeitinho maroto, parece que o tempo não passou pra ele. A gente percebe também que ele é um cara bem “família”. Ta, e se eu não escrever, não sou eu... ele é muito lindo. Pronto, agora arrumei briga.rss
Que nada, o Zé gostou demais do Maurício, se tornou fã também. Nem falei nada e no final do show ele já foi comprar o DVD e se prontificou a tirar uma foto minha ao lado dele.
Eu com Maurício Manieri na FNAC dia 11/04/2012
Fui ver o Mauricio pela segunda vez no Show Cultural promovido pelo Campinas Shopping. Vi a divulgação do show na internet, meses antes. Seria no dia 02 de maio, uma quinta-feira (feriado no dia anterior), então eu não teria aula. Beleza, agendei.
Agitei quem eu sabia que gostava dele, pra ir também.
Chegou dia 02. Depois do trabalho fui pra casa tomar um banho, e esperar o Zé chegar pra gente sair. Quando cheguei a Letícia já estava se arrumando. O Zé já chegou meio acelerado, ele estava bastante impaciente. Parecia que era mais fã que eu.rss
Saímos não era nem 19horas. Tinha combinado de dar carona pra Sandra (minha dinda). No caminho liguei pra Adriana, ela já estava à caminho.
O Zé estava preocupado, achou que poderia ter muita gente. Eu já achava o contrário, que estaria igual à FNAC.
Falei para ele: _Ah, relaxa, acho que quase ninguém sabe desse show.
Até então eu estava calma, tranquila.
Mas a Letícia tratou de me assustar, dizendo: _ Não sei não mãe. Como a senhora acha que fiquei sabendo? Tem um outdoor enorme à caminho do meu trabalho (ela trabalha no Shopping Iguatemi) divulgando o show. E tem outros pela cidade.
Na hora pensei: dancei.
Aí que o Zé ficou mais ansioso ainda e pisou no acelerador. Quase passou com a cancela do estacionamento abaixada, tamanha era a pressa. No fim chegamos juntos no estacionamento. Entramos e fomos direto procurar onde seria o show e quando chegamos...
... aaaahhhhhh, estava cheio, muito cheio.
Ficamos de um lado do palco, para o outro, tentando descobrir qual seria o melhor.
Optamos por ficar do lado direito, tinha pouca gente mas infelizmente foi um lado que o Mauricio pouco olhava, uma pena!
Quando ele entrou foi um delírio só. Ele cantou, dançou, tocou, arrasou!
Acho que ele cantou quase todas a músicas do CD, o show deve ter durado mais de uma hora. Acha que eu olhava o relógio, ou tinha pressa? De jeito nenhum.
Sei que eu cantei e dancei, exibindo o meu box DVD/CD que levei comigo, ah e pra variar gritei um pouquinho... faz parte.rss
Tiramos muitas fotos. A Letícia filmou ele cantando a minha música preferida (do momento) “Se quer saber”. No final ela pediu e conseguiu uma paleta do guitarrista da banda.
O Maurício, após a apresentação, foi para o camarim. Ia voltar para receber as (os) fãs, autografar e tirar fotos. Como eu já tenho o meu DVD e a Sandra, Adriana e Letícia não queriam ficar, fomos todos jantar.
Foi uma noite incrível, em que me senti realizada, afinal poder ver meu ídolo de perto, mais uma vez,  foi uma grande honra!
Vídeo da música "Se Quer Saber" que a Letícia filmou: aqui

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Homem de Ferro 3

Sinopse

Em Homem de Ferro 3, o industrial, arrogante, porém brilhante, Tony Stark/Homem de Ferro luta contra um inimigo cujo alcance não tem limites. Quando Stark vê seu mundo pessoal destruído pelas mãos de seu inimigo, ele embarca em uma angustiante jornada para encontrar os responsáveis. Uma jornada que a cada reviravolta seus brios serão testados. Pressionado, Stark terá que sobreviver lançando mão de seus próprios dispositivos, contando com sua engenhosidade e instintos para proteger aqueles que lhe são mais próximos. Em sua luta para retornar, Stark descobre a resposta para a pergunta que o atormenta em segredo: o homem faz o traje ou é o traje que faz o homem?
Elenco: Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Don Cheadle, Guy Pearce, Rebecca Hall, Jon Favreau, Ben Kingsley, James Badge Dale, Stephanie Szostak, Paul Bettany, William Sadler, Dale Dickey, Ty Simpkins, Miguel Ferrer, Xueqi Wang.
TONY STARK/HOMEM DE FERRO
[Robert Downey Jr.]
Gênio excêntrico, bilionário e filantropo Tony Stark é o super-herói da armadura conhecido como Homem de Ferro. Tentando relaxar após os atos heroicos e quase fatais que o Homem de Ferro empreendeu para salvar a cidade de Nova York da aniquilação, Tony se vê incapaz de dormir e sofre com preocupações e inquietações. Quando seu mundo é destruído e aqueles que ele ama são ameaçados, Tony precisa achar um meio de salvá-los— e no processo reencontrar a si mesmo.
PEPPER POTTS
[Gwyneth Paltrow]
Pepper progrediu de assistente de Tony Stark para chefe das Indústrias Stark, e acabou também se apaixonando por Tony. Vibrante, leal e honesta, Pepper entende Tony Stark mais do que qualquer pessoa e, às vezes, isso pode ser tanto preocupante como perigoso.
ALDRICH KILLIAN
[Guy Pearce]
Através da fundação de sua organização privada, a A.I.M., Aldrich Killian formou uma equipe para melhor pesquisar e desenvolver o vírus Extremis, que transmite níveis incomuns de força e resistência a seres humanos.
MANDARIN
[Ben Kingsley]
Mandarin é o sinistro líder da organização terrorista conhecida como The Ten Rings, de onde parecem emanar todos os atos extremos de terrorismo que assolam o mundo. Apesar de recluso, Mandarin exerce um enorme poder e faz-se notar infundindo medo no governo e na população através de seus ousados planos de ataque.
CEL. JAMES RHODES (RHODEY)
[Don Cheadle]
Rhodey é a ligação entre as Indústrias Stark e a Força Aérea dos EUA. Ele é um dos poucos amigos de confiança de Tony Stark e, na maior parte do tempo, tem paciência para lidar com o gênio impulsivo. Rhodey tem uma nova armadura do Máquina de Combate com desenho patriótico em vermelho, prateado e azul. Quando ele a veste se torna o Iron Patriot.
***
Não tinha assistido Homem de Ferro 1 e 2. Sendo assim, não tinha a menor intenção de assistir Homem de Ferro 3. Mas depois que vi a empolgação da Priscila, minha amiga do trabalho para ir na pré-estréia, na quinta-feira, me animei. Ela foi, e no dia seguinte chegou toda irradiante e comentando, disse que assistiu em 3D e dublado.
Hum, pensei_ filme de ação em 3D, deve ser demais!
Chegando em casa falei para o Zé que queria assistir os dois primeiros, assim poderíamos aproveitar o feriado da semana seguinte para ir no cinema. Ele gostou da idéia e foi locar.
Assistimos (eu, o Zé e a Letícia) no Sábado o Homem de Ferro 1 e no Domingo o Homem de Ferro 2.
O feriado chegou. Combinamos com a Adriana e o Henrique de “pegar” um cineminha no Galeria que é o shopping preferido do Zé. Ingressos comprados, sessão das 16:40h, 3D, Legendado. Como ainda estava cedo ficamos passeando pelo shopping. Infelizmente só tinha uma loja aberta então sentamos para tomar um café e ficamos batendo papo, esperando a hora passar.
A fila começou a se formar às 16:20h, ficamos entre os 20 primeiros.rss
Não vou me ater aos detalhes mas só para constar o início da sessão atrasou mais de 20 minutos.
Quando finalmente o filme começou, me bateu o desespero. Não conseguia ler e ver ao mesmo tempo.Ai meu Deus! Isso nunca me aconteceu. Sempre assisti filmes legendados, prefiro. Para mim, é tão normal que é como estivesse com o áudio em português. Penei pelo menos nos 10 primeiros minutos. A legenda ficava aqui, na minha cara e a imagem lá atrás. Eu lia e depois corria os olhos para ver a cena. Acredito que isso foi decorrente o filme ser 3D, só pode.rss
Depois fui me acostumando e no final já estava totalmente sincronizada.
Quando saímos da sala, uma fila enorme se formava do lado de fora. Óbvio, atrasa uma sessão, atrasa todas. Falta de organização.
Antes de cada um ir pra sua casa, paramos para tomar uma sopa, o Henrique e a Adriana “bateram” um lanche enorme, que estava com a cara muito boa.
Nessa paradinha fizemos nossos comentários sobre o atraso da sessão, sobre a sala estar lotada, sobre eu não conseguir ler e ver ao mesmo tempo e é claro, sobre o filme...
... Fazendo uma compilação, o primeiro foi o melhor, apesar de eu não ter gostado do final. Tony Stark devia manter sigilo sobre sua verdadeira identidade. Isso torna o filme mais atraente. O telespectador fica na expectativa se em algum momento a identidade do super-herói vai ser revelada.
No segundo filme foi mais fraquinho e um exagero de coisas sem nexo. Pra começar, a armadura do Homem de Ferro cabe em uma maleta!? Tony Stark que é tão arrogante, excêntrico, já não age mais sozinho. Se não é a ajuda de um ou outro, a população estava perdida.
Agora o terceiro, ah esse é um verdadeiro espetáculo... circense, não tenho outras palavras para definir. Gente que cospe fogo, um monte de homens de ferro, todo mundo vestindo a armadura ou vice-versa (uma vez que os robôs ganharam vida própria), até o presidente dos EUA veste a camisa, ou melhor, a armadura.rss
Não estou querendo dizer que os filmes são ruins, longe de mim. Acho que eu é que estou ficando velha pra essas coisas de super-heróis... muita fantasia.
Mas é um filme que vale a pena assistir, passa o tempo
Quanto aos atores, fantásticos: Robert Downey Jr. de quem sou fã há muito tempo, foi brilhante, interpretou muito bem o papel, tanto que quase me chateei por ver sua arrogância. E olha que não sou de me deixar influenciar.
Gwyneth Paltrow foi excelente, segurou muito bem “a onda” nos três filmes, aliás fiquei impressionada, talvez com inveja da “barriguinha” dela no Homem de Ferro 3.
O parecer final dos quatro (eu, Zé, Adriana e Henrique), é que o nome do filme deveria ser: Tony Stark e os Homens de Ferro!

Fonte: http://www.cinepop.com.br/filmes/homemdeferro3.php


Curiosidades:

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Maratona Toy Story

Estava deixando de escrever este episódio da minha vida (até porque, na semana seguinte fiquei doente, tive dengue). Sou assim, ou escrevo logo, aproveitando a motivação ou, já era. Ontem estava passando na TV, o Toy Story 3, não me contive, parei para ver mais uma vez, estava no finalzinho, a melhor parte.
Então me lembrei do final de semana que fizemos a maratona Toy Story. Foi no Sábado, 13 e Domingo,14. Com previsão de chuva, só chuva, muita chuva, nada melhor que ficar em casa, vendo um filme. A Letícia tinha emprestado Toy Story, Toy Story 2 e Toy Story 3, já fazia um tempinho. Eles estavam lá, na estante, esperando uma ocasião, e ela finalmente chegou.  Eu já tinha assistido os dois primeiros, não lembrava quase nada, sabia que era bom. O Zé não tinha assistido nenhum.
Os filmes são bem divertidos, os brinquedos fazem peripécias para se manterem unidos.  Cada episódio, uma história diferente, contagiante, eu ficava torcendo pelos brinquedos, e é claro peguei amor por cada um.
Imaginar que “brinquedos” têm sentimentos me remeteu ao passado, em busca de lembranças dos meus brinquedos. Como eu os tratei? O que fiz com eles?
Lembro que no Sábado, ao ir deitar, eu e o Zé olhamos para minha boneca, meu boneco e meu ursinho e comentamos: _ Pensou se a gente vai dormir e eles começam a aprontar, como no filme.rss
Depois de ter assistido os dois primeiros (no Sábado) o Zé perguntou qual eu gostei mais. Não soube responder. Achei melhor assistir o terceiro e depois tirar uma conclusão. E agora posso dizer que gostei de todos, mas o terceiro... ah, esse me emocionou demais, quase chorei. Acho que o Zé chorou, ele é muito sensível, emotivo.
Agora entendi porque o Danilo queria porque queria o Buzz, e porque a Letícia comprou o balde com os soldadinhos... quando a gente termina de assistir, dá uma vontade enorme de brincar, de comprar brinquedos.
Terminamos a maratona no final do Domingo e, fomos devolver os filmes. Não que precisasse devolver logo. É que no fundo a gente queria falar sobre eles com a moçada e queria também ver os brinquedos deles, inclusive os soldadinhos no baldinho.rss Aproveitamos para comer uma lasanha que o Fernando tinha preparado (estava muito boa) e para conhecer o Tate (cachorrinho deles). Foi um fim de semana diferente, proveitoso, onde aprendemos e nos divertimos muito.

Sinopses: