domingo, 30 de março de 2014

Elis, A Musical


Quero deixar bem claro que qualquer coisa que eu diga sobre este espetáculo, não vai expressar nem “um por cento” da magia que aconteceu ali.
Ainda não presenciei cena assim. Durante todo o espetáculo, a vibração, a emoção tomou conta do público. A cada cena... Muitos aplausos, assovios e uhhhuuuuus tomavam conta do teatro. A expressão no rosto de todos era de um grande sorriso, contrastando com as lágrimas que, vez ou outra teimavam em cair.
Eu me incluo em tudo que mencionei acima. Vibrei, aplaudi, me emocionei, soltei alguns uhhuuus e bravo!! Ri e chorei. E olha que não sou muito fã da Elis. Gosto de algumas músicas. E foi o suficiente para não titubear quando o Zé falou de irmos assistir esse musical.
Bom, logo que chegamos e entramos – no saguão -  havia um cartaz onde estava escrito que para a próxima sessão (que seria a nossa), a atriz que interpretaria a Elis seria Lilian Menezes. Fiquei decepcionada e chateada, pois sabia que a atriz principal era a Laila Garin que concorreu com 200 candidatas e ganhou o primeiro lugar. Porém, a frustração durou até a Lilian (Elis) entrar no palco.
Essa moça deu um show de interpretação. Só para ter uma ideia, durante o intervalo e no final, ouviam-se comentários do tipo. “Nossa, quando a luz piscou duas vezes e a atriz começou a cantar, tive a impressão que a “entidade” da Elis tinha “baixado” ali”. O Zé eu pensamos que a atriz iria dublar. Engano nosso! A moça arrebentou de cantar. E os gestos, a expressão facial? Tudo nos fazia acreditar que era a Elis que estava ali presente.
Fiquei muito emocionada ao ver alguns ídolos da TV. O Tuca Andrada e o Claudio Lins. Reconheci também o Icaro Silva – só não me lembrava de onde. Fiquei sabendo no intervalo que ele tinha sido da Malhação. O Icaro foi fantástico interpretando o Jair Rodrigues. Aliás, fiquei boquiaberta por ver todos cantarem. Até o Tuca cantou.rss
O Tuca interpretou o papel do primeiro marido (Bôscoli) da Elis e o Claudio do segundo (César Camargo Mariano). Ouvi comentários de que os próprios ficaram emocionados ao assistir o musical e ver quanto o mesmo está sendo fiel a história.
O espetáculo todo foi magnífico. A gente nem percebe a hora passar. Ficaria ali o dia inteiro, com certeza. Em algumas cenas a gente chacoalhava o corpo e vibrava, foi assim quando a Elis fez um pout-pourri com o Jair Rodrigues – representando a época que eles fizeram um programa no rádio. A outra foi quando ela cantou com o Tom Jobim a música “Águas de Março” – essa a cena foi em um estúdio. Confesso que arrepiei e chorei quando ela cantou “Como Nossos Pais” e “O Bêbado e o Equilibrista” – a segunda ela canta para o Henfil – em uma forma desesperada de conseguir a aprovação dele, pois ele a enterrou por duas vezes em suas charges no jornal de grande repercussão da época “O Pasquim”.
 No espetáculo conheci outros personagens como Lannie Dale, Miele e alguns outros.
Bom, não vou me alongar mais porque corro sério risco de acabar contando o final. O que posso dizer, é que este espetáculo me encantou. Ainda não vi melhor! Só assistindo mesmo para saber o que estou falando...  Sentindo. E nem precisa ser fã da Elis. É só gostar de boa música, de conhecer um pouco da história não só da pessoa, como do nosso país, além de ver alguns ídolos e outros talentos que nos encantaram a cada segundo.
O que aconteceu naquele teatro foi sublime. Uma energia positiva. Uma emoção geral e recíproca. Artistas e público. Imagem que não esquecerei jamais!

sábado, 29 de março de 2014

Elis Regina - A Musical

Provavelmente quando esta matéria for postada – e com certeza não lembrarei disso - estaremos no ônibus a caminho de São Paulo.
Quando recebemos o e-mail, com a programação sobre o evento, não pensamos duas vezes. Aliás, pensamos... Que dia iríamos. E optamos pelo mais próximo... Hoje.
Só para constar, recebemos o e-mail da Roberta da Trondi no dia 28 de Janeiro. No dia seguinte o Zé já tinha feito as nossas reservas. Depois disso só nos restou aguardar.



“Elis Regina, A Musical”

Depois de uma temporada de sucesso absoluto no Rio de Janeiro, nova produção da Aventura Entretenimento em parceria com a Buenos Dias chega ao Teatro Alfa em São Paulo.

Com um investimento de 10 milhões de reais, o Musical recria a trajetória da vida da cantora gaúcha, uma das maiores cantoras da história da música brasileira!

Com texto de “Nelson Motta” e “Patricia Andrade”, direção de “Dennis Carvalho”, apresentando “Laila Garin” como “Elis Regina” e a participação de “Felipe Camargo”, “Claudio Lins” e grande elenco, “Elis, o Musical” mostra personagens emblemáticos da cultura do país, como “Miele”, “Jair Rodrigues”, “Vinícius de Morais”, “Tom Jobim”, “Ronaldo Bôscoli”, “Cesar Camargo Mariano” e “Lennie Dale”, entre muitos outros.

A atriz Laila Garin – escolhida entre 200 candidatas nas audições – vive a cantora gaúcha; os papéis de Ronaldo Bóscoli e Cesar Camargo Mariano, os dois maridos de Elis, são interpretados respectivamente por Felipe Camargo e Claudio Lins. Outros 16 atores se revezam em vários papéis, em uma história que leva para o palco diversas figuras importantes da cultura nacional.

O espetáculo reúne ainda canções que se tornaram grandes sucessos na voz de Elis Regina, entre elas clássicos como “Arrastão”, “Casa no campo”, “Águas de março”, “Dois pra lá, dois pra cá”, “Como Nossos Pais”, “Aos Nossos Filhos”, “Fascinação”, “O Bêbado e o Equilibrista”, “Madalena”, “O Trem Azul” e “Redescobrir”. São ao todo 51 canções que integram o repertório do espetáculo, entre músicas, medleys e vinhetas.
Com apenas um mês em cartaz nos palcos cariocas, o espetáculo se transformou num dos maiores sucessos de público e crítica da temporada 2013, recebendo três indicações para o Prêmio Shell de teatro e outras oito para o Prêmio Cesgranrio.

Construindo Elis:
“Elis, A Musical” surgiu de um texto escrito por Nelson Motta e Patricia Andrade, que ao serem convidados pela Aventura Entretenimento e pela Buenos Dias,  já escreviam um roteiro sobre a vida da cantora para o cinema. Nelson acompanhou de perto a vida e carreira de Elis, tendo sido seu amigo e produtor. “Trinta anos depois de sua morte, ela continua como a maior referência de todas as novas gerações de cantoras. O convite para escrever o musical me deixou imensamente feliz”, atesta ele. Na direção do musical, outro amigo de longa data da cantora, Dennis Carvalho. “Eu a conheci através de Milton Nascimento e logo me tornei seu fã. Ela foi simplesmente a melhor cantora do Brasil”, afirma Dennis.
As Canções do Espetáculo:
1º Ato
Fascinação / Aprendendo a jogar / Garoto último tipo – Puppy Love / Ela é Carioca / Imagem / O Pato / Menino das Laranjas / Samba do Avião / Arrastão / Deixa Isso Pra Lá / O Morro Não Tem Vez / Feio Não É Bonito / O Sol Nascerá / Esse Mundo É Meu / A Felicidade / Samba de Negro / Diz Que Fui Por Aí / Acender as Velas / A Voz do Morro / Lobo Bobo / Alô, Alô Marciano / Come Fly With Me / Eu Sei Que Vou te Amar / Samba Saravá / Upa Neguinho / Vou Deitar e Rolar / Falei e Disse / Madalena / Não Tenha Medo / Atrás da Porta / Casa No Campo
2º Ato
Nada Será Como Antes / Canção Da América / Fé Cega, Faca Amolada / Paula E Bebeto / Maria, Maria / Wave / Só Tinha De Ser Com Você / Águas de Março / Dois Pra Lá, Dois Pra Cá/ O Guarani (Instrumental) / Como Nossos Pais / Querelas de Brasil / Deus Lhe Pague / O Bêbado e A Equilibrista / As Aparências Enganam / O Trem Azul / Aos Nossos Filhos / Redescobrir / Fascinação


segunda-feira, 17 de março de 2014

Ser feliz

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Augusto Cury - (Dez leis para ser feliz, Editora Sextante, 2003)


Eu pareço o gato. Será??



No site Educar para Crescer da qual sou seguidora tem bastantes testes legais. Já fiz um para saber que poema de Fernando Pessoa eu sou. Hoje fiz o teste para saber com qual personagem do conto de fadas "Alice no País das Maravilhas" eu pareço. Deu nisso:

Você é... O Gato

E tem horror a ser controlado (a). Por isso, aparece e desaparece quando bem entende. Se é convidado (a) para uma festa, chega quando dá, vai embora quando cansa. Nas conversas, não gosta muito de delongas e prefere questionar a ser questionado (a). Ainda bem que você sempre tem um belo sorriso a oferecer. Cabe aos outros perceberem se, se trata de um sorriso amável ou apenas irônico. Vantagem: você vive de maneira livre e descomprometida. Conselho: criar vínculos pode não ser tão ruim assim – experimente.

Para fazer o teste, clique aqui

sexta-feira, 14 de março de 2014

E quem sabe o que é Aliá?


_ Você sabe qual é o feminino de elefante?
_ Elefoa. Elefanta.
_ Ah, mas tem um que você não sabe!
_ E tem mais?
_ Sim, mais um.
_ Então não sei mesmo!
_ Aliá.
_ Aliá???
_ Pois é... Zé Olímpio também é cultura.
_ Não fosse pela hora – já passava de 22 horas – e por eu estar indo escovar os dentes para depois ir dormir... Ia checar a veracidade dessa informação.rss
E eu, para não ficar pra trás e não deixar o assunto terminar ali. Afinal queria ganhar uma, perguntei:
_ E qual é o coletivo de elefante?
_ Manada.
_ De peixe?
_ Cardume.
 Agora esse eu acho que você não sabe!_ Qual é o coletivo de porco?
_ Sabia, mas agora não me vem à mente.
_ Pior que eu também esqueci.
Um silêncio quase que total (somente o som das cerdas roçando nossos dentes). 
_ Chiqueiro?rss
_ Por hoje pode ser.rss

***

Pesquisei alguns sites e em um deles diz: Atenção! Muitas pessoas afirmam que o feminino de elefante é elefoa. Esta afirmação está errada. As palavras certas são elefanta e aliá.
Professor Pasquale diz que é elefanta aqui.
Quanto à Aliá encontrei alguns lugares onde se diz que no Sri Lank, aliá é a fêmea do elefante

E para quem não sabe, ou esqueceu... O coletivo de porcos é vara.

domingo, 9 de março de 2014

Flores do Danilo

Depois de passar a tarde com as meninas, o Zé foi me pegar na Praça do Largo do Pará. Quando entro em casa, uma surpresa. Um buquê de rosas me esperava.
Nossa, mas não tem quatro dias que ele me deu flores! - pensei.
Junto com o buquê tinha um cartão escrito (por fora) "para mãe”. Não entendi nada. Abri para ler e estava escrito essas palavras: Feliz dias das Mulheres! Obrigado por me fazer o filho mais sortudo do mundo. Te amo. Danilo
Nossa!!! O Danilo me enviando flores??
Fiquei meio abobada. O Zé ficou ali, no meio da sala, me olhando e rindo. Depois ele me contou como tudo aconteceu. Como o Danilo pediu para ele comprar as rosas, como ele ficou ditando o que era para escrever, etc.rss
Fiquei muito feliz, surpresa, emocionada e admirada por essa atitude do Danilo. Não esperava. Na verdade, nunca esperei que um dia fosse receber flores dele, afinal sempre achei ele o mais distante dos três. Esses filhos às vezes nos surpreendem.

Almoço no apartamento da Marcelle

Ontem, dia 08 de Março foi comemorado o dia internacional das mulheres.
E eu comemorei juntamente com minhas amigas, ex-companheiras de trabalho. Fomos almoçar - e conhecer o apartamento da Marcelle. Ela sugeriu no nosso último encontro, no teatro Castro Mendes, onde fomos assistir à peça “É Patrão É Serviçal paga pouco e come mal”.
A Tati criou um evento com três opções de data. Esse foi o mais votado. Inclusive é aniversário da Priscila de Paula.
Não fazia a menor ideia de como chegar na Ma. Então logo que acordei entrei no facebook para ver como as meninas iriam. Estavam todas perdidas. Diziam que não encontravam o endereço dela no mapa. Ou seja, nem pensar em GPS. Achei melhor ir de ônibus com algumas meninas.
O ponto de encontro era em frente ao CATI da Av.Brasil, às 11h45min. No horário combinado eu estava lá. A Janaina acabou se atrasando.
Chegamos ao apartamento da Ma, passava de 13h30min. Estavam lá, além da Ma e da Thuany - filha dela, a Fabrícia e a Renata. Eu já estava varada de fome e para disfarçar – ou piorar – comecei a beber vinho. E pra piorar mais ainda tinha o cheirinho delicioso do strognoff, inebriando o ambiente.
As meninas foram chegando aos poucos... Suzana, Tati, Gabi... Amorim...
E colocar o assunto em dia com tanta mulherada? Difícil. A gente tentava. Uma começava. A outra continuava. Uma outra cortava. As risadas tomavam conta do lugar.
Nessa hora o vinho (bom) já tinha acabado. A Fa abriu um outro – seco. Ninguém agüentava beber aquilo. Algumas colocaram adoçante para melhorar o sabor. Outras arriscavam beber. Fazer caretas era inevitável.rss
O almoço só foi liberado após a chegada da Gisele. Ela foi à última a chegar e a primeira a pegar o prato. Ela está grávida. Pensa que a gente é boazinha assim? Não fosse por isso, ia ser a última a comer.rss
Eu já nem tinha mais fome. O estômago já estava lá nas costas.
O almoço foi arroz, strognoff de frango e batata palha. Que delícia. As meninas estavam com muita fome. Acho isso porque quase todas repetiram o prato.
A Ma teve até que fazer outra panela de arroz. A gente almoçava, falava, ria. Mulher consegue isso!
Após o almoço continuamos ali, discutindo sobre os mais variados assuntos. As duas filhas da Suellen e a Valentina – filha da Amorim - ficavam pra lá e pra cá.  A Gabi que mostrou a cirurgia plástica que tinha feito há uma semana. Na verdade ela foi intimada – induzida – a mostrar.rss A Tati fazendo chapinha na Fabrícia – que ia sair logo mais para ver Jorge & Matheus. A Amorim que resolveu discursar – fez um agradecimento à Marcelle. Aliás, a Amorim não parou de falar um minuto desde quando chegou. E pra molhar o bico, secou a garrafa de vinho – ruim - e depois a garrafa de café.rss
A Ma fez um bolo de cenoura. Um não... Dois! Ela contou que um deles estava sem ovo e fermento, que ela esqueceu de colocar. Não sei qual dos dois eu comi, mas estava bom demais. Cantamos parabéns para a de Paula.
Priscila de Paula - aniversariante
Fomos embora todas juntas. Quem estava de carro deu carona para quem tinha ido de ônibus. Eu voltei com a Suzana.
Passei uma tarde maravilhosa, onde estar na presença dessas meninas é sinônimo de muita alegria, descontração e cumplicidade. Além de elas irradiarem jovialidade.

sábado, 8 de março de 2014

Machado de Assis

"Não basta ver uma mulher para a conhecer, é preciso ouvi-la também; ainda que muitas vezes basta ouvi-la para a não conhecer jamais."

Machado de Assis (Migalhas)

quarta-feira, 5 de março de 2014

e-mail trocado


Quarta-feira de cinzas. A chuva cai incessantemente lá fora. Eu aqui trabalhando e ao mesmo tempo, fazendo mxxxda.
Dizer para uma pessoa que ela é instável é mal? E dizer isso dela, mas para outra pessoa e ela ficar sabendo? E quando essa pessoa é alguém de quem dependemos? Isso sim, é muito mal. Tô ferrada!
Não, ninguém tem noção do que eu fiz. Mandei e-mail (supostamente) para o meu esposo – falando que meu professor é instável, e que procuro não ficar "batendo de frente" com ele para não arrumar confusão. E adivinha pra quem eu mandei o e-mail? Claro, sem sombra de dúvidas... Para o referido professor. E adivinhem? Ele é o meu orientador de TCC. Será que serei punida por isso?
Isso é bom pra abaixar a minha bola. Estava feliz porque tinha conseguido convencer ele de que quero defender algo que ele não concorda, pelo menos não totalmente. Como se já não bastasse o estresse do TCC eu apronto pra minha cabeça. Podia dormir sem essa!

Quem foi que disse que tatuagem par dá azar?

Não que eu não tenho o que fazer. Ou então que eu não tenha nada melhor pra fazer. Eu tenho sim!! Só quis matar a minha curiosidade. Aliás, não estava tão curiosa assim, afinal já faz um tempinho que "alguém" me falou que "tatuagem par dá azar". Esse "alguém até já fez a terceira tatuagem, com medo da superstição.rss
Também não foi só por curiosidade que resolvi pesquisar na internet. Preciso me manter informada e atualizada sobre isso. Para ter argumentos. Caso seja necessário. Espero que não!rss
Dei uma olhadinha em três lugares. Esse foi o mais convincente. Ou pelo menos o que mais me agradou. Se bem que não me agrada em nada esse assunto. Enfim, coloquei abaixo o texto, para quem não sabe - ou tinha essa dúvida (ou curiosidade?) - e quiser conferir:

Os mitos das tatuagens ímpares ou pares, qual dá azar?
Há quem diga que o número ímpar de tatuagens dá azar, mas existem outras pessoas que afirmam que é o número par de tatuagens é quem desperta o mal olhado. Como essas lendas surgiram?
Alguns tatuadores, aqueles mais mitológicos, relacionam essa história de azar e sorte com o algarismo 666, por ser uma sequência de três algarismos e por  representar o número da besta. Logo, muitos dizem que o número ímpar da azar.
Já outros tatuadores seguem a lenda mais tradicional, aquela dos marinheiros. Diz o mito de que a muito tempo atrás,  um navio pirata naufragou e todos aquele que tinham tatuagens em número ímpar morreram. Na época, isso causou um grande temor entre as pessoas que vivam em viagem pelo mar e por elas estarem sempre navegando a lenda se disseminou.
Por causa desse mesmo mito, os tatuadores da cidade de Nova Orleans, Estados Unidos, situada em uma região portuária e praticamente o berço das tatuagens feita com máquina elétrica, estava enfrentando uma baixa procura por novas tatuagens. Então, os tatuadores resolveram “criar” uma lenda que dizia o contrário, que na verdade os piratas que haviam morrido eram aqueles que tinham tatuagens em número par.
A procura foi tão grande após essa “criação” que os próprios tatuadores montaram um ciclo entre as duas lenda. Conforme fosse o nível da busca por fazer novas tatuagens eles alternavam as histórias.
A questão é que eles fizeram uma jogada de marketing, muito bem organizada. Mas nem o número ímpar nem o número par de tatuagens da azar ou sorte. O importante é você fazer e ter uma arte legal sem a influência de uma superstição.

terça-feira, 4 de março de 2014

Sem título

1ª parte - O desabamento:
Olhei pela janela e vi aquele prédio enorme. De repente deu um pé-de-vento e o mesmo desabou em cima de outro prédio. Eu saí correndo, pois tinha comigo que o Bruno trabalhava no prédio que desabou. Chegando descubro que não. Ele estaria no "outro". Eu desesperada querendo saber dele. O porteiro deixava as pessoas entrarem e subir pelo elevador para procurar seus parentes. Eu entrei nesse elevador - com mais pessoas. Chegamos a um andar onde elas desceram. Eu olhei para o corredor e foi então que me toquei que não sabia o andar que o Bruno trabalhava. Então, desci. Já de volta àquele lugar do início vi o carro dele na garagem. Agora eu tinha um celular em mãos. Liguei e fiquei sabendo que estava tudo bem com ele. E ele me conta que, quem estava no prédio que desabou, eram as amigas Tamara e a Carol. Estava também a Adriana - minha irmã.
2ªparte - O enterro:
Seria um enterro coletivo. A Adriana e o Ricardo eram alguns deles. Tinha muita gente por ali. Toda a minha família. O Marcos perguntava para uma mulher sobre os preparativos para o casamento. Como pode falar em casamento quando estamos enterrando um parente, pensei. Eu parecia uma louca, chorava, berrava. Eu estava desconsolada. Meio que descontrolada. E no meu inconformismo falava: _Eu estava tão feliz com a vida. Como continuar vivendo se as pessoas começam a sair de nossas vidas. 
3ª parte - O despertar
Não enterrei ninguém. Acordei antes. Graças a Deus!

E já na vida real:
Contei para o Zé, enquanto tomávamos café. Acha que esse é o momento pra contar isso? 
Bom, ele ouviu atentamente - riu em alguns momentos - afinal muito estranho a gente entrar em um elevador de um prédio que tinha sido atingido por outro. Sonho, ora bolas! Quem entende? No fim ele chegou a conclusão que eu devo ter tido esse sonho por causa do filme "A Menina que roubava Livros" que assistimos na semana passada.
Não sei por que deu vontade de ir na minha mãe, fazer uma visitinha pra ela, e de praxe ver a Adriana.
Então liguei pra Adriana para ver se ela estará lá - isso porque ainda estou indo.rss
Contei à ela sobre o sonho, sobre a conclusão que o Zé chegou.
E ela concordando e tirando uma da minha cara, disse:
_Pra você ver como somos lentas. E prosseguiu dizendo - talvez não com as mesmas palavras, mas o significado é o mesmo. Você assistiu o filme semana passada e só agora seu cérebro está processando.
E completou: _Ah, você deve estar querendo vir aqui para ver se estou viva, né? Eu não tinha pensado nisso, confirmando como é lento o processo na cabecinha aqui.rss 
Antes de desligar falei para ela: _ Olha te desejo muita saúde, viu? E em todo caso, procura ficar longe de prédios por um tempo, ok?
Mesmo assim, estou indo até lá... Para confirmar e reforçar.rss

sábado, 1 de março de 2014

Relacionamentos

Relacionamentos precisam de cuidados e atenção. Desprenda-se de suas prioridades atuais, reavalie-as. Dedique tempo e energia para o bem da outra pessoa. Concentre nela a sua atenção, pois os relacionamentos são mais importantes do que a televisão, a revista ou o jornal. Afaste as distrações, desligue a TV, deixe de lado o jornal. Respeite a outra pessoa.
Nunca pense nos relacionamentos como coisa garantida, que não precisa ser continuamente alimentada. Não caia na rotina. Renove o relacionamento através de ações amorosas. O relacionamento é algo vivo que existe no presente. Sua garantia de permanência não vem do passado.
Faça com que a alma penetre no relacionamento através da atenção e da compreensão. É isso que aprofunda o processo, harmonizando a alma/lado direito do cérebro com o ego/lado esquerdo do cérebro.
Só os relacionamentos em que colocamos nossa alma trazem verdadeira alegria à vida.
Brian Weiss - A Divina Sabedoria dos Mestres 

Nenhum dia é igual a outro


Podemos acreditar que tudo que a vida nos oferecerá no futuro, é repetir o que fizemos ontem e hoje. Mas, se prestarmos atenção, vamos nos dar conta de que nenhum dia é igual a outro. Cada manhã traz uma benção escondida; uma benção que só serve para esse dia e que não se pode guardar nem desaproveitar.

Se não usamos este milagre hoje, ele vai se perder.
Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver cada minuto porque ali encontramos a saída de nossas confusões, a alegria de nossos bons momentos, a pista correta para a decisão que tomaremos.
Nunca podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, porque estamos em constante processo de mudança.

Paulo Coelho