terça-feira, 22 de agosto de 2017

Família é prato difícil de preparar

Trechos do livro  "O Arroz de Palma",  de Francisco Azevedo.

"Família é prato difícil de preparar.
São muitos ingredientes.
Reunir todos é um problema...
Não é para qualquer um.
Os truques, os segredos, o imprevisível.
Às vezes, dá até vontade de desistir...
Família é prato que emociona.
E a gente chora mesmo.
De alegria, de raiva ou de tristeza.
O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita.
Bobagem!
Tudo ilusão!
Família é afinidade, é à Moda da Casa.
E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.
Há famílias doces.
Outras, meio amargas.
Outras apimentadíssimas.
Há também as que não têm gosto de nada, seria assim um tipo de Família Dieta, que você suporta só para manter a linha.
Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo.
Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.
Enfim, receita de família não se copia, se inventa.
A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia a dia.
Muita coisa se perde na lembrança.
Aproveite ao máximo.
Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete!
                    Família:
Feliz quem tem e sabe curtir, aproveitar e valorizar..."          
  
Família é projeto de Deus!
Então...
Amem-se,
Perdoem -se,
Aceitem-se,
Tolerem-se

... E vivam como se hoje fosse o último dia que vocês vão estar com a sua família.

***
Recebi a mensagem acima da minha amiga Célia, hoje às 7h51min.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Henrique meu netinho

O meu netinho – Henrique já está com 16 dias de vida.

18 de agosto
Depois do hospital eu o vi mais duas vezes. No Domingo, dia 06 na casa da tia da Deborah, que foi onde eles ficaram até o dia 11.
06 de agosto
E no Domingo, dia 13 na frente da casa do Rubens. Eu fiquei da casa da minha mãe, esperando o Danilo avisar quando estaria voltando para o apê. Eles tinham ido almoçar com o Rubens. Só que, como estava ficando tarde e eu queria ir para casa, decidi passar na casa do Rubens. E assim, vi e pude segurar o Henrique. Foi até engraçado esse dia. Quando chegamos, desceram o Bruno, Fernando, Leticia e o Danilo com o Henrique no colo. Eu cumprimentei todos e já fui pegando o Henrique. Entrei no carro e ali fiquei. Conversando com o Henrique. Admirando o Henrique. Babando em cima do Henrique. Minutos depois – percebi um silêncio do lado de fora do carro. Ao olhar para fora, vi que todos estavam me olhando. E aí um deles (provavelmente Letícia – ela é a mais ciumenta) falou: _Agora não está nem aí mais para os filhos. Acreditam nisso? Baita marmanjos, com ciúmes de um bebezinho.rsrs
Leticia com Henrique - 13 agosto

A primeira vacina ele tomou no dia 08. A Deborah foi com o Danilo levar ele. O Henrique não chorou.


No dia 11 foi a primeira consulta do Henrique no pediatra. O Bruno que levou a Deborah e ele. E no final do dia a Letícia foi buscá-los para levar para o apê.


Eu só não vou mais vezes ver o Henrique para não ser taxada como grudenta. Mas todo dia pergunto como ele está e o que está fazendo, para o Danilo ou para a Deborah. Às vezes para os dois.rsrs E não contente, peço uma foto. Fico trabalhando e babando.
O Danilo também está amando ser pai. Ontem ele postou a foto abaixo no facebook e escreveu: Minha vida! 


Quando me disseram que ser avó é diferente, eu não entendia. Hoje consigo entender. Cada vez que olho para a foto dele, é uma alegria imensa. Um amor que não dá para explicar. 

A música de Ivan Vilela

Ivan Vilela apresenta repertório instrumental autoral e interpretação de temas regionais caipiras. Nesta apresentação, o violeiro será acompanhado por Ary Colares na percussão e Gilberto de Syllos no contrabaixo acústico. (texto extraído do caderno de programação do SESC Campinas)
***
Eu não conhecia o Ivan. Quem falou sobre essa apresentação foi a Rose. O Edson (namorado dela) já tinha assistido e recomendou. Bom... Pela velocidade que os ingressos foram vendidos dava para imaginar que era muito bom mesmo. O teatro estava lotado.
Apesar de a apresentação levar o nome do Ivan, não tem como falar de um só. Os três são fantásticos. O Ivan fala pouco, mas é bem engraçado e inteligente. Entre uma música e outra ele contava um pouco da história de como a viola foi introduzida no Brasil. Sobre como ele começou a tocar viola. Falou um pouco da cidade de Campinas e agradeceu as pessoas que foram importantes na carreira dele. Ivan também declamou uma poesia de Gildes Bezerra.
Não lembro quantas músicas eles tocaram. Apesar de eu não conhecer essas “modas” de viola, adorei todas!
Uma apresentação que vale a pena ver e rever. Com certeza, se algum dia ele voltar a se apresentar em algum lugar de Campinas, tentarei marcar presença.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O mundo segundo os brasileiros

Ontem foi dia dos Pais. Fomos ao cemitério visitar o túmulo do meu pai. Depois fomos à Clínica visitar o Sr.Olympio.
A Silvana que estava na minha mãe, tinha convidado a gente para almoçar lá. Então, saindo da clínica fomos direto para a casa da minha mãe. Isso já passava das 15h. Tanto que chegamos na minha mãe, ela e a Silvana – até o Nego – perguntaram se a gente tinha ido jantar.rsrs
E no meio da conversa a Silvana comentou de uma série que ela tinha assistido no Netflix, e que gostou muito. A série “o mundo segundo os brasileiros”. Claro que, chegando em casa quisemos conferir. E escolhemos o episódio sobre “Orlando”, queríamos ver o que o pessoal que está lá – Adriana, Henrique, Eliane, Gabriel, Felipe e Andressa – vão conhecer. Ou deveriam conhecer. Tanto que hoje mandei mensagem para a Adriana, recomendando ela assistir o episódio para ver se algum dos passeios estava na programação deles.
Pena que só tem uma temporada no netflix. Mas vai dar para conhecer bastante lugar. Se não dá para ir conhecer pessoalmente, a gente viaja dessa forma, não é? E quem sabe um dia... Se sobrar tempo e dinheiro...
Pelo menos já terei uma ideia dos lugares que ia querer ir. Bom, é isso. Não vou falar dos lugares, porque cada um se agrada mais de uma atração. Então, melhor mesmo é ver.

Sinopse: Baseado no original espanhol Españoles en el mundo, a série leva o telespectador a percorrer alguns dos principais roteiros turísticos do mundo, lugares bastante conhecidos ou pouco explorados, porém repletos de descobertas e contrastes.
O programa, que é exibido em sua versão brasileira desde 2011, já visitou mais de cem lugares diferentes em mais de setenta países, apresentando detalhes de arquitetura, culinária, história, cultura e vida noturna, tendo como "guias turísticos" brasileiros que moram nesses países e conhecem os lugares e as experiências mais interessantes de cada cidade ou região visitadas.
África, Ásia, Oceania, Europa e Américas, a cada destino um novo olhar, narrado por personagens reais em tom documental e quase autobiográfico. E a cada novo episódio, as várias facetas de uma vila, cidade ou região, com dicas, roteiros, histórias e revelações divertidas e emocionantes.


Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Mundo_Segundo_os_Brasileiros

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Trilha Sonora (novelas) - Brilhante

As trilhas dessa novela foram marcantes na minha vida. Eu estava então com 14 anos... Época que eu e as amigas (os) entrávamos de "bicão" nas festas, para dançar... Na garagem! A gente nem sabia se era casamento ou aniversário. Às vezes nem conhecia os donos da residência - ou da festa. Também não ia para comer, nem beber. A gente ia só para dançar. Foi a época do meu primeiro namorado, e foi dessa novela que saiu a "trilha" do meu primeiro namoro: "Take me Now". Mas essa novela, tem muitas outras músicas maravilhosas. Apaixonantes. Inesquecíveis. Escolhi para compartilhar como a nona música da "Trilha Sonora - Novelas" , "Do You Miss Me" com Morris Albert. Quando ouço essa música, logo nos primeiros acordes eu viajo...

Se quiser ouvir a música, ver o vídeo (com a letra traduzida) e a letra, clique AQUI.


Título: Brilhante
Horário: 20:00
Data de estréia: 28/09/1981
Canal do Programa: Rede Globo
Tipo de Programa: Novela
Autoria: Gilberto Braga
Colaboração: Euclydes Marinho, Leonor Basséres
Direção: Daniel Filho, José Carlos Pieri, Marcos Paulo
Direção Geral: Daniel Filho

Sinopse: .Um mistério é o ponto de partida desta história. A bela Luiza testemunha um suicídio em Londres. De volta ao Brasil, ela se surpreende ao ver o mesmo homem - Sidney - vivo. Nesse interim, ela conhece a família Newman, cuja matriarca é a milionária Chica Newman, que se encanta com a jovem e vê a chance de casá-la com seu filho Inácio, um homossexual. Entretanto, Luiza acaba apaixonando-se por Paulo César, genro de Chica. Paulo César, que já vivia um casamento em crise, abandona a mulher, Maria Isabel, e inicia um romance com Luiza. Enquanto isso, a carreirista Leonor, sempre acompanhada da mãe - a não menos interesseira Edite - aceita casar-se com Inácio. O comércio de jóias e pedras preciosas e um mistério sobre uma jazida de esmeraldas no Pantanal mato-grossense é o fio condutor de toda trama.

Elenco:
Ilma - Creuza
Aguinaldo Rocha
Anselmo Vasconcelos - Tavares
Aracy Balabanian - Vera
Artur Muhlemberg - Guto
Beatriz Lyra - Carmem
Buza Ferraz
Carla Camurati - Sônia
Caíque Ferreira - Fred
Cláudio Marzo - Carlos Amorim
Célia helena - Regina
Dennis Carvalho - Inácio Newman
Eloísa Mafalda - Edith
Fernanda Montenegro - Chica Newman
Fernanda Torres - Marília Ribeiro
Francisco Milani - Vanderlei
Fábio Villa Verde - Silvinho
Graziela di Laurentis
Janser Barreto - Lino
Jardel Filho - Bruno
Joana Fomm - Virgínia Sampaio
José Wilker - Oswaldo/Sidney
João Paulo Adour - Sérgio
Kadu Moliterno - Afonso
Laura Cardoso - Alda Sampaio
Luciano Sabino - Ricky
Lídia Matos - Nilza
Marcia Rodrigues - Iara
Maria Gladys - Dinalva
Mauro Mendonça
Maurício Barroso - Serpa
Mário Lago - Vitor Newman
Nadia Lippi - Vânia
Neuza Caribé - Cissa 
Oswaldo Louzada - Leonel
Paulo Porto
Renata Sorrah - Leonor
Renato Coutinho - Clóvis
Renato pedrosa - Ulisses
Renée de Vielmond - Maria Isabel Newman Ribeiro
Rosita Thomaz Lopes - Letícia
Rômulo Arantes
Suzana Faini - Renée Sampaio
Sérgio Mamberti - Galeno Sampaio
Tarcísio Meira - Paulo César Ribeiro
Vera Fischer - Luiza Sampaio
Ítalo Rossi - delegado

Trilha Nacional:
Me deixas louca - Elis Regina
Dans mon ile - Caetano Veloso
Meu bem meu mal - Gal Costa
Mistério - Ângela Ro Ro
Decisão - Joanna
Luíza (tema de abertura) - Tom Jobim
Naquela noite com Yoko - Simone
Acontecências - Cláudio Nucci
De leve - Lulu Santos
Doce de coco - Elizethe Cardoso
Luzes e estrelas - Edson e Terezinha
Canção da manhã feliz - Nana Caymmi

Trilha Internacional:
Comin'in and out of your life - Barbra Streisand
Do you miss me - Morris Albert
Hurt - Carly Simon
Good time tonight - Kool & The Gang
If leaving me is easy - Phil Collins
Love Games - Ian and Christopher
Sugar - Ronay
Murmures - Richard Clayderman
You weren't in love - Mike Fleetwood
Old photographs - Jim Capaldi
Little darling - Sheila
Take me now - David Gates
Angelica and Ramone - Secret Service
Song of Laura - Sound Orchestra

E você... Tem alguma música da trilha nacional ou internacional que te traz recordações?

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Perdendo amigos...

Depois que eu implico com o mês de Agosto, vão dizer que é cisma... Ele traz notícias boas, porém; infelizmente ruins também.
Faleceu ontem, às 20h50min o Chiquinho, esposo da minha amiga Rosileni. Ele sofreu um acidente de moto, no Sábado passado, quando estava voltando para casa, após encerrar mais um dia de trabalho. Ele fazia entrega para o Lig Lig. Ele estava parado no semáforo e um carro entrou na contra mão e pegou ele. Os ferimentos que ele teve nem vou comentar, porque foram muitos e graves.
Ele passou por cirurgia e ficou na UTI, sedado e desacordado. Durante a semana, todos os dias, após ir vê-lo a Rosi mandava notícias pelo WhatsApp. Ela ia no horário das 14h às 14h30min. Tinha visita também das 20h às 20h30min. Esse horário ela deixava mais para os familiares e amigos. Eu e o Zé tínhamos programado de ir visitá-lo hoje. Infelizmente ontem na visita da tarde ela não veio com boas notícias. Disse que a noite anterior tinha sido a pior dele. A Rosi estava tão abalada que a noite foi com a Nathália. Ela contou que quando as duas chegaram, ele estava com a respiração ofegante e, conforme a Nathalia foi conversando com ele, a respiração foi acalmando.
Acredito que demoraram a avisar a Rosi da morte dele, porque nós nos falamos pouco antes das 22h, e depois eu fui dormir. Estava muito frio.
Estou muito triste. Foi uma grande perda!! O Chiquinho era um homem muito despojado, brincalhão. Fiz algumas viagens com eles para Minas, e essas são as lembranças que ficarão dele.
Agora, o que me deixa mais triste é saber que com a ida dele, vou ficar sem minha amiga também. Posso estar enganada, mas tenho quase certeza que agora ela vai embora para Minas. Não tem mais o que prende ela aqui. A família dela está toda lá. E a situação financeira deles aqui não estava das melhores.
Mas, acredito que vai ser melhor para ela. E eu vou estar sempre torcendo pela felicidade dela. Mesmo que seja longe das amizades que ela conquistou aqui. Afinal, família em primeiro lugar.

Mudança de hábito

Estou muito triste e chateada comigo mesma. Segunda vez em menos de uma semana que tentam me chamar pelo WhatsApp e não conseguem, porque estou dormindo.
Dia 02 acordei com um simples “mãe”. Era do Danilo. Ele mandou às 00:39h. Era para falar que a Deborah estava com contração e que ia levá-la para o hospital. Vi a mensagem somente quando acordei.
Hoje aconteceu novamente. Agora a minha amiga Rosileni. Ligou no WhatsApp e no celular. Por fim, mandou mensagem para dar a triste notícia que o Chiquinho (marido dela) faleceu.
Não sei o que faço. Se deixar o celular ao lado da cama para tocar, posso correr o risco de não conseguir dormir, porque ele vai ficar acendendo e fazendo barulho. Se deixá-lo na sala, no silencioso, como sempre fiz, continuarei deixando de atender ou socorrer meus amigos e familiares em um momento de desespero.
Já pedi para quando for assim, ligarem para o Zé. Ele sempre dormiu com o celular ao lado da cama. E ele tem o sono leve. 


sábado, 5 de agosto de 2017

O silêncio

Onde quer que você esteja, seja a alma deste lugar...
Discutir não alimenta.    
Reclamar não resolve.    
Revolta não auxilia. 
Desespero não ilumina. 
Tristeza não leva a nada. 
Lágrima não substitui suor. 
Irritação intoxica. 
Deserção agrava. 
Calúnia responde sempre com o pior. 
Para todos os males, só existe um medicamento de eficiência comprovada. 
Continuar na paz, compreendendo, ajudando, aguardando o concurso sábio do Tempo, na certeza de que o que não for bom para os outros não será bom para nós...
Pessoas feridas ferem pessoas.
Pessoas curadas curam pessoas.
Pessoas amadas amam pessoas.
Pessoas transformadas transformam pessoas.
Pessoas chatas chateiam pessoas.
Pessoas amarguradas amarguram pessoas.
Pessoas santificadas santificam pessoas.
Quem eu sou interfere diretamente naqueles que estão ao meu redor.
Acorde…
Se cubra de Gratidão, se encha de Amor e recomece… 
O que for benção pra sua vida,  Deus te entregará, e o que não for, ele te 
livrará! 
Um dia bonito nem sempre é um dia de sol…
Mas com certeza é um dia de Paz.

Chico Xavier

*** 
A mensagem acima foi compartilhada pelo meu cunhado Henrique, no grupo "Divazapp", no dia 01/08/2017 (terça-feira) às 09h48min.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Comparações salariais

Já não é de hoje que ando um pouco revoltada com a discrepância nos salários. E discordo quando alguém diz que é importante estudar. Que nos dias de hoje é imprescindível cursar um ensino superior. Até concordo que a gente deve estar sempre lendo, fazendo cursos, assistindo palestras, etc. Mas cursar uma faculdade. Pra quê?
Eu gastei 04 anos da minha vida, e mais de R$ 30.000,00, para me tornar uma contadora. Isso porque a faculdade não era das melhores. E eu fazia de tudo (exames, voluntariado) para ter redução na mensalidade.
Tudo isso para ter um salário de R$ 2.200,00 por mês. R$ 73,00 por dia – R$ 9,17 por hora. E ainda tenho que pagar uma anuidade de mais de R$ 500,00. Agora quero comparar o meu salário, com o de algumas profissionais que conheço:
Sabe quanto ganha uma depiladora? R$ 180,00 por hora.
Uma cabeleireira? Mais ou menos R$ 500,00 por dia (chutando baixo).
Uma manicure? A média de R$ 200,00 por dia.
Uma faxineira? R$ 130,00 por dia.
A cuidadora da minha sogra? R$ 150,00 (por noite)
Até a empregada da minha sogra ganha (+/-) o que eu ganho.
E então eu pergunto: _ Estudar pra quê?  Tanta responsabilidade pra quê?
Agora eu vou mais longe com as comparações. Mais longe não... Mais alto.
Hoje a notícia que está bombando na internet é o salário exorbitante do Neymar. Ele acabou de ser contratado pelo clube Paris Saint-Germain. O valor não dá nem para mensurar, parece que é mais ou menos 300 mil por dia. Pode isso?
Será que dá para comparar o salário dele com o salário de um médico? Ou de um professor? 
Nem dá para ficar comparando, porque ao fazer isso a gente só passa raiva.

Cuidando da família

A gente tem que tomar cuidado quando valoriza demais os amigos, ou aqueles parentes que chegam a fazer parte de nossa vida. Eu já fiz isso. Falava que minha ex-sogra era minha segunda mãe. E olhando para trás acho que por algumas vezes devo tê-la tratado como primeira, pois fazia coisas por ela e deixava minha mãe em segundo plano. Também já considerei amigas mais que minhas irmãs e hoje sei que errei. O que me consola é saber que não fui só eu que dei uma dessas. Vi exemplos de pessoas que fizeram isso e se arrependeram amargamente depois.
Hoje vejo muito nas redes sociais, as pessoas se declarando para amigos, amores. Para um amor é o pior. Já vi declarações emocionantes. Passou um tempo... Não deu certo. Daqui a pouco outro amor aparece e vemos outra declaração. O que a pessoa não percebe é que quando enaltece um, acaba por desvalorizar o anterior.
Uma declaração mais linda e emocionante que outra. O que a gente se esquece, é que no fim da nossa vida, os únicos que, com certeza estarão do nosso lado, no nosso enterro serão os nossos familiares. Principalmente aqueles do mesmo sangue. Outros vêm e vão. É claro que alguns ficam para sempre, mas não será a maioria.
Muitas pessoas passam pela nossa vida. E devemos dar atenção a todas elas. Mas, sem nos esquecermos daqueles que chegaram primeiro, e que jamais deixarão de fazer parte de nossa vida.  Por isso, acho que as maiores declarações devem ser para os pais, para os irmãos, para os filhos... Com isso não estou querendo dizer que devemos viver só para eles. Mas principalmente!

Prioridades

Esse é um desabafo que nem devia ficar registrado, mas a vida não é feita só de coisas boas. Hoje em dia, as pessoas querem que só isso fique registrado. Postam nas redes sociais fotos sempre sorrindo. Ou de viagens. Ou jantando em lugares chiques. Parece que a vida dela é de felicidade plena de pura harmonia. A vida tem seus altos e baixos. Momentos de alegrias e tristezas. De surpresas e decepções. A minha não é diferente.
Ontem eu estava animada, pois ia conhecer o meu neto. Combinei com o Zé como iríamos. Mas, acabei ficando chateada com ele. Porque, mais uma vez ele desmarcou um compromisso. Ele ligou algumas horas antes dizendo que não ia. Motivo: O patrão tinha marcado uma reunião e não tinha avisado ele.
Primeiro: Acho que, se alguém marca uma reunião e não te avisa, é porque você não é peça fundamental;
Segundo: O Zé não é registrado nessa empresa (ele presta serviços);
Terceiro: O Zé está desmotivado nessa empresa, porque vai fazer 04 meses que ele está lá, e até o momento não pagaram a comissão que ele tem direito;
Quarto: O Zé está desmotivado porque se sente um peixe fora d’água no ambiente, além de que, segundo ele, o pessoal não é organizado, o que o deixa desanimado;
Quinto: Ele já disse que não vai ficar lá;
Sexto: Se sou eu que digo que não vou a um compromisso, com certeza ele não ia gostar.
Olha, posso estar sendo chata - implicante. Mas é que não é a primeira vez que isso acontece. Eu devo me conscientizar que não sou prioridade na vida do Zé. Mesmo que ele diga que sou. Já percebi que antes de mim, vêm os carros, a moto, a reunião com as irmãs, o trabalho, etc.
Ontem ao chegar em casa, fiquei pensando que não valia a pena ficar de “cara fechada”. Mas não consegui. Eu até tentei, mas, se tem uma coisa que não consigo, é fazer cara de nada aconteceu, quando algo está me remoendo. E como não adianta falar para o Zé porque ele se irrita e reverte a culpa, fiquei quieta.
Mas, como tudo passa isso também vai passar. A minha chateação. O emprego dele. O apego pelos carros, pela moto...
Se eu não tivesse ficado sem almoçar e não tivesse machucado os pés, não estava fazendo tanto drama.rsrs

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Conhecendo o Henrique

Fui a maternidade visitar a Deborah e conhecer meu neto Henrique. Fui com o Bruno. Chegamos lá, a Letícia e a Débora estavam no quarto. Esperamos elas descerem para subir. A Deborah esta no quarto 116 do 1º andar.
Entramos no quarto e lá estavam, Danilo, Deborah e Henrique. O Henrique dormindo. Mesmo assim peguei um pouco no colo. Tentamos acordá-lo, mas ele só mexia os olhinhos. Fazia um esforço para ficar acordado, mas dormia novamente. O Bruno estava com receio de pegar o Henrique no colo, mas segurou. Não ficamos muito porque o Rubens já tinha avisado ao Danilo que estava na recepção aguardando a vez.

O Henrique é lindo. Não estou sendo coruja. Ele é mesmo. Arrisco dizer que ele é mais bonito que o Danilo - quando nasceu. Fiquei olhando e admirando tudo. O narizinho. A boquinha. O rostinho. Só não vi mais porque ele estava bem vestido, com luvinha e tudo. Saí de lá feliz e encantada. 


Será que sou desnaturada?

Sei que muitas pessoas devem achar que eu não tenho sentimentos. Porque não sou de chorar quando - e como - todos esperam. Ou de ficar extasiada quando - e como todos esperam. Nem eu entendo. Não sei se é do signo. Ou se é da cultura (sou descendente de japonês).
Às vezes acho que pode ser influência do que eu falei quando era pequena. Eu assistia a série “Pássaros Feridos”. Lembro que a mãe da Meg foi perdendo o marido, os filhos... E chegou um momento que ela não chorava mais. Parecia que não se abalava. Na época eu falei que queria ser como ela. Não me abalar pelas alegrias, nem tristezas.
Eu choro sim. Eu fico feliz sim. Mas reajo do meu jeito! Sem muito alarde.
Esse meu desabafo é para falar que ontem meu neto nasceu, e eu ainda não fui ao hospital para vê-lo. E por quê? Porque eu sabia que a Deborah (minha nora) tinha ido ao hospital as 2 horas da madrugada, com contrações. O Henrique nasceu às 11h05min de cesariana. A visita começaria às 13h.  A Deborah ia estar cansada e talvez com dor. - foi o que pensei. Se eu fosse ia ser logo às 13h e o Danilo e a mãe da Deborah estavam esperando para entrar – desde a madrugada. Então achei melhor não ir. Se a visita fosse até mais tarde, com certeza eu iria. Mas não. Ela terminava às 17h. Por me preocupar com a Deborah resolvi não ir. Nem pensei que o Danilo poderia estar carente, necessitando de um abraço da mãe. Quem me lembrou disso foi a Eliane. Pesou na consciência. 
Muita gente deve falar. Que mãe desnaturada. Que avó desnaturada. Nem foi ficar com o filho. E conhecer o neto. Será que sou desnaturada? 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Nasceu o Henrique

E para alegrar o dia 02 de agosto que desde 2015, tornou-se um dia triste para a família, acabou de nascer meu primeiro neto - Henrique.  Como todos estão dizendo... É o ciclo da vida. Um vai... Outro vem.



Estamos todos muito felizes, afinal, cada ser que nasce é sempre uma benção de Deus!
Seja muito bem vindo Henrique! Que todos os seus dias sejam iluminados por Deus.

Dois anos sem meu pai


Hoje está fazendo dois anos que meu pai faleceu. No início eu não conseguia nem olhar para a foto que chorava. Hoje isso já é possível. Inclusive, logo após a mudança eu revelei duas fotos e coloquei no porta-retratos. Todo dia eu o vejo. Quando fixo muito o olhar nele (na foto) as lágrimas ainda rolam pelo meu rosto. Mas não são lágrimas de desespero. Agora são lágrimas de saudade. Sinto saudades da voz dele. Sinto saudades de ver ele na frente da casa, sempre quando chegávamos. Ou sentado no banco, na área. Saudades até de ver ele com essa camiseta polo verde.rsrs E foi o que ficou. A saudade! As lembranças! O amor!

Meu Pai... Esteja o senhor onde estiver não esqueça que nós, que aqui ficamos jamais nos esqueceremos do senhor. E se nossas lembranças e nossas orações puderem ajudar de alguma forma, pode contar conosco.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Os outros!

Você sabia que...?

Seu NASCIMENTO foi através de Outros;

Seus primeiros BANHOS foram dados por Outros;

Seu NOME foi dado por Outros;

Você foi EDUCADO por  Outros;

A sua RENDA, ainda que indiretamente, vem por meio de Outros;

Se você quer se DIVERTIR, ou faz uma viagem, vai a um show, cinema, teatro, restaurante, estádio, são os Outros que te servirão;

Quando você ADOECE é cuidado por Outros;

O RESPEITO a si é dado por Outros;

Seu ÚLTIMO BANHO será dado por Outros;

O seu FUNERAL será realizado por Outros;

E os PERTENCES e  PROPRIEDADES serão herdados por Outros.

Então, questiono-me por que motivo alguns de nós deixamos o nosso EGO, nosso TEMPO, nossa CARREIRA, nosso DINHEIRO e nossas CRENÇAS nos levarem a menosprezar  o valor dos OUTROS na nossa vida, sendo que, na verdade, os nossos feitos envolvem tanto os Outros.

É hora de todos nós simplificarmos, reajustarmos e modificarmos nossa percepção da Vida e sobre a Vida, a fim de nos tornarmos mais amorosos, mais humildes e vivermos pacificamente com os OUTROS;

porque nesta vida precisamos uns dos outros em todo o tempo.

Tenhamos gratidão com o próximo!

Cada um de nós é O OUTRO DO OUTRO. 
Vamos cuidar uns dos outros!

Lembre-se:
Em tudo, eu e você precisamos UM DO OUTRO!!


***
A mensagem acima, a Priscila Zanca compartilhou no grupo "amigas pra sempre", no dia 29/07/2017 (sábado) às 11h24min.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Pausar a vida pelos filhos...

Hoje tomei meu chá com lágrimas e na minha boca amargava a saudade que sinto da minha mãe. Fiquei pensando em quantas vezes, desde que me tornei mãe, já escutei a frase “não pause sua vida pelos filhos, pois eles um dia crescem”; como uma forma disfarçada de menosprezar a dedicação materna. 
Cria-se o filho pro mundo, todo mundo diz. 
As asas, as benditas asas. Eu sei, você sabe.
Não pausar a vida. Ideia curiosa essa já que ser mãe é viver eternamente de pausas. 
Por 9 meses, pausa o vinho. 
Por aproximadamente 40 dias se pausa a vida sexual. 
Por muitas e muitas noites pausa o sono , pausam a reunião de trabalho, a ligação importante, a oportunidade profissional. Pausa a poupança, porque juntar dinheiro fica difícil. 
A gente pausa as refeições e os banhos. Pausa os planos de viagens, as saídas com as amigas, as idas ao cabeleireiro. 
A gente pausa o coração na preocupação e pausa a própria vida pra respirar a deles.
Criar para o mundo. O que isso seria? 
Suponho que minha mãe me criou “para o mundo,” sempre me dando asas. Fui conquistar esse mundão para o qual a minha mãe me criou. 
Mas a verdade é que eu nunca deixei de ser dela. Um pedaço dela. Um produto dela. 
Então eu penso, enquanto tomo meu chá com lágrimas e amargo as saudades que sinto da minha mãe, que filhos não são do mundo. Nossos filhos são nossos! Eles vieram da gente e voltam pra gente de novo e de novo. 
Mesmo estando longe, eles são nossos. Nossos pedaços. Nossos produtos. Os produtos de todas as nossas pausas. Porque é na pausa que fortalecemos o vínculo, é na pausa que construímos as memórias. É no pausar da vida, nesse incessante viver pelo outro, em meio às dores e sacrifícios que, como mulheres, muitas vezes nos vemos plenas; e mais do que isso, nos vemos mães.

***
A mensagem acima foi compartilhada pela minha cunhada Karen, no grupo "Somente elas", no dia 29/07/2017 (Sábado) às 23h23min.

domingo, 30 de julho de 2017

Dicas: Pressão arterial, Tipo sanguíneo...

Vale a pena ficar informado..............   Sobre o tipo sanguíneo deveríamos ter uma tabelinha na porta da geladeira com o tipo  sanguíneo dos familiares .
Recebi e estou repassando:

PREVENÇÃO É MELHOR QUE CURA*

       PRESSÃO
       ARTERIAL

▶120/80 Normal
▶130/85 Normal
(Requer Controle)
▶140/90 Alta
▶150/95 Muito Alta


Batimento Cardíaco por Minuto
🔺72 bpm (padrão)
🔺60 a 80 bpm (Normal)
🔺40 a 180 bpm (anormal)
       -----------------

TEMPERATURA
Grau Celsius
🔺36' à 36.7'
Temp. Normal
🔺37.3' à 37.8'
Febril/Atenção
🔺37.8' acima
Febre/Grave

       -----------------

Compatibilidade de grupos sanguíneos

Qual é o teu tipo sanguíneo e quão comum é ?

O+ (1 em cada 3)
A+ (1 em cada 3)
B+ (1 em cada12)
AB+ (1 em cada 29)
O- (1 em cada15)
A- (1 em cada 16)
B- (1 em cada 67)
AB- (1 em cada 167)
*O mais raro!

Compatibilidade de grupos sanguíneos

✅ Tipo O-
Recebe do O-

✅ Tipo O+
Recebe  O+, O-

✅ Tipo A-
Recebe  A-, O-

✅ Tipo A+
Recebe do A+, A-, O+, O-

✅ Tipo B-
Recebe do B-, O-

✅ Tipo B+
Recebe do  B+, B-, O+, O-

✅ Tipo AB-
 Recebe do AB-, B-, A-, O-

✅ Tipo AB+
Recebe do AB+, AB-, B+, B-, A+,  A-, O+, O-

Esta é uma informação importante, que pode salvar vidas!

Efeito da águasob o organismo
Sabemos que a água é importante mas você nunca soube o horário correto para beber!

Você sabia ?
Beber água no horário correto maximiza a efetividade do corpo humano;

1 copo de água depois de acordar  Ajuda a ativar os Órgãos internos...

1 copo de água 30 Minutos Antes da refeição Ajuda a  digestão.

1 copo de água Antes de tomar Banho ajuda a Baixar a pressão arterial.

1 copo de água
Antes de dormir evita AVC ou ataque do coração.

***
A mensagem acima foi compartilhada pelo meu cunhado Henrique, no grupo "Divazapp", no dia 29/07/2017 (Sábado) às 13h16min.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

A Cabana

Sinceramente eu não sei o que acontece comigo. Devo ter algum problema! Queria entender porque eu demoro tanto para ler, ver, ou ouvir algo que sei que é bom – que é sucesso.  Se eu sei que é tudo isso, porque resisto tanto?  Sei que não sou de fazer o que a maioria faz. Que gosto de fazer as coisas no meu tempo. Porém, às vezes esse tempo “leva tempo”.rsrs
Fiquei pensando nisso porque finalmente, no Domingo eu assisti ao filme “A Cabana”.  Isso porque antes mesmo dele ser lançado nos cinemas (isso foi em Abril) eu disse que queria muito assistir. Cheguei até a ficar ansiosa pela estreia. Imagine se não tivesse ficado ansiosa? Ah, mas com o livro foi a mesma coisa. Comprei porque sabia que era muito bom. Só Deus sabe quantos anos depois peguei para ler.
Durante o filme e depois que terminou, achei que algumas coisas foram diferentes do livro. Como emprestei o livro para a Eliane, achei melhor vir dar uma olhada no blog ver o que eu tinha escrito, e já aproveitava para ver quando tinha lido. Achei muita coincidência, pois li em 2014. Exatamente no mês de Julho. E o que eu escrevi? Quase nada!
Bom, quanto a não escrever quase nada, fico receosa mesmo. Porque posso dar spoiler. Sei que muita gente não gosta. Se bem que quando se trata de um livro que (quase) todo mundo já leu, não teria problema nenhum falar demais, não é?
Vamos lá... O que eu não lembrava e o que achei que foi diferente. Não me lembrava da Sophia (Sabedoria). Como posso não me lembrar de uma das cenas mais impactantes do filme (e deve ter sido do livro)? Absurdo.rsrs Agora o final foi diferente. No livro, após sair do hospital Mack leva os policiais até o local onde estava o corpo da Missy. Com isso ele “prova” que esteve com Deus. Ou estou enganada? Ou seria o final que eu gostaria que tivesse sido? Sei lá. Só vou saber quando ler o livro novamente. O que, com certeza irei fazer.
Meu termômetro para medir se o filme foi bom são as lágrimas. Ou os risos. Confesso que não chorei muito. Derramei uma ou outra lágrima. Lembro que com o livro fiquei muito mais tensa, envolvida, emocionada. Acho que o ator que interpretou o Mack não conseguiu expressar os sentimentos como eu esperava. Ficou a desejar.
As pessoas falam mesmo, que filme baseado em livro, nunca fica tão bom quanto o livro. Na verdade, também penso assim. É que durante a leitura a gente imagina os personagens (isso quando não vive os personagens), e por geralmente conter mais detalhes, às vezes mais cenas, a gente acaba por absorver melhor o conteúdo. O filme passa em menos de duas horas. Um livro às vezes ficamos horas - ou dias - lendo. Com isso a gente acaba se envolvendo mais.
Porém, um personagem me cativou mais no filme, que no livro.  A atriz Octavia Spencer que interpretou Deus (o Papa) foi encantadora. Quando li o livro, fiquei um pouco decepcionada por Deus se apresentar como uma mulher, e lembro que não fiquei convencida. No filme, o Papa é apaixonante. Já, os outros personagens transmitiram a mesma emoção. Talvez porque o papel de Deus e do Mack fossem os mais importantes, a gente acaba cobrando mais. No fim, um compensou o outro. Sem mais delongas... Filme bom. Livro melhor ainda.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Começando uma nova série

Estava sentindo falta de uma série legal para assistir. Não queria nada que tivesse mortes, muita intriga, muito drama. Queria algo estilo Gilmore Girls - até pensei em assistir tudo novamente. Mas resolvi dar uma chance para as outras séries. Então Domingo começamos a fuçar no Netflix. Escolhemos uma série: “Grace and Frankie”. Lemos a sinopse. Nada muito tenso. Assistimos o 1º episodio. Não curtimos. Pelo menos não agora!
Passamos mais um pouco pelas séries e escolhemos “Desperate Housewives”. Assistimos o 1º episódio. No final, olhamos um para o outro, respiramos aliviados. Ufa... Encontramos algo legal para assistir. Pelo menos, não vamos perder tempo passando pelos canais para ver o que está passando. Agora, sobrou um tempinho, vamos direto para a série. No decorrer dos episódios, tendo algo a comentar virei aqui. Aguardem-me.rsrs


Desperate Housewives (no Brasil, Desperate Housewives e em Portugal, Donas de Casa Desesperadas) foi uma premiada e aclamada série de televisão americana do gênero comédia dramática, vencedora de vários prêmios, incluindo o Globo de Ouro e o Emmy. A série foi criada por Marc Cherry, e transmitida na ABC entre 2004 e 2012. Em Wisteria Lane na cidade ficcional de Fairview, o tema da série é a vida de cinco amigas e donas de casa, durante o dia-a-dia das mesmas. Com um ritmo descontraído, atraente e que em todos os episódios costuma prender a atenção do telespectador mesmo quando desperta gargalhadas, a série é, até hoje, uma das mais populares e de maior audiência dos Estados Unidos, muitas vezes citada como o melhor seriado de comédia dramática de todos os tempos. O estilo da série combina com elementos de drama, comédia, mistério e novela.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Desperate_Housewives

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Minhas amigas - Meus amigos



Hoje é o “Dia do amigo e Internacional da Amizade”. E... Quem são minhas amigas? Meus amigos?
Não são muitos. Dá para contar nos dedos... Das mãos! Até porque nunca liguei para quantidade. E sim, qualidade. E não é fácil manter uma amizade. Porque a gente tem que cuidar. Procuro cuidar da minha amizade com esses poucos amigos. Por isso, sempre que posso mando uma mensagem. Um olá! Com a agitação da vida, sei que devo “deixar a desejar”, mas... Faço o que posso.
Se alguém chegar e me perguntar quem são meus amigos, são esses nomes que direi:
Roseli (de infância)
Jacqueline (conheci nos anos 80)
Silvia (esposa de um amigo do Rubens)
Tatiane (conheci na Mansur em 2007)
Rosileni (conheci na Mansur)
Priscila Zanca (conheci na Ômega em 2012)
E meus amigos:
Genildo (de infância)
Ronaldo (conheci no Patrulheiro)

Esses são os amigos que Deus colocou no meu caminho, por uma razão ou outra, porém, antes deles minhas melhores amigas, são as mulheres da minha família (irmãs, cunhadas, sobrinhas...). Meus irmãos, cunhados, sobrinhos. 
Enfim, todos os que citei e meus familiares, são meus sinceros, meus eternos amigos... Que sempre estarão no meu coração!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Chá de fraldas - Henrique

Ontem foi o chá de “fraldas” do meu neto – Henrique. Foi no salão de festas, no condomínio onde o Danilo e a Deborah estão morando.
O salão estava lotado. Ou ele que não é muito grande.rsrs Mas deu para acomodar todos, acredito eu.

Tinha muita coisa para comer. A Deborah tinha falado que ia ter para comer: torta, cuscuz e salgadinhos. Eu me ofereci para fazer carne desfiada – para comer com pão. No fim, a D.Delza (vó do Danilo) fez um bolo salgado. E a Bruna (irmã da Deborah) fez caldo de ervilha. Quanta coisa - falei para a Deborah. Ela riu. Disse que ficou com receio de não dar. É que como ela anda comendo por dois, achou que todos comeriam por dois. Só pode!rsrs

Tinha também gelatina colorida, que a gente colocava no copo e se quisesse colocava leite condensado. Tinha uma caixinha aberta. Teve bolo. Docinhos (beijinho e brigadeiro). Pirulito de chocolate feito pela Deborah. E outras guloseimas. Por onde a gente andava tinha coisa para comer.
Tinha duas lembrancinhas. Uma feita pela Deborah e Danilo e outra (um sapatinho com ímã) a dona Delza fez. Muito lindos!

No convite, os pais pediram um pacote de fralda e um refrigerante. Então, quem bebia, levou a sua cerveja. Vi que eles ganharam bastante fralda e outros presentinhos. Hoje eles mandaram foto do que ganharam.
Teve três brincadeiras. Uma da fita, onde as mulheres escolhiam um pedaço de fita. Eu nem imaginava para que seria, então para não passar por “fominha” ou “exagerada”, peguei um pedaço pequeno. No fim, quem tivesse a fita da medida (mais próxima) da barriga da Deborah ganhava um presentinho. A Adriana pegou os pedaços de fita de quem ela conhecia e começou a emendar para tentar ganhar.rsrs Nem assim conseguiu. A vitoriosa foi a Andressa.

A outra foi da cadeira. As mulheres sentaram em circulo e com uma fraldinha – que no meio estava lambuzada de chocolate (simulando cocô), passavam de uma para outra ao som de uma música. O Bruno que ficou controlando o som. Quando a música parava, quem estava com a fralda tinha que cheirar, ou lamber. A Adriana ganhou.
A terceira brincadeira foi com a participação de todos. A Deborah falou que o Henrique tinha perdido um par de meias no salão e quem encontrasse ganharia o prêmio. Um barato. Todo mundo começou a revirar o que podia. A tia dela achou atrás de um extintor que estava na parede.
Estava TUDO muito bom. Comemos. Bebemos. Conversamos. Rimos. Tiramos muitas fotos. Mais uma vez fiquei admirada com o cuidado - a preocupação - da Deborah e do Danilo se estava tudo correndo bem. Fora que eles fizeram a maioria das coisas, deviam estar exaustos. E como é nosso costume, quando um diz que vai embora, todos vão. E para variar fomos para a casa da Shirlei tomar café. 

quarta-feira, 12 de julho de 2017

O que Queres?

foto arquivo pessoal

Um filme? Veja “cinema paradiso”.
Um amigo? Busca Jesus
Uma virtude? Pratica a caridade
Uma regra de se conduzir? Observa o Evangelho.
Um amor? Ama primeiramente.
Que desejas?
Um sabor? Colhe algumas uvas no vinhedo.
Um divertimento? Dança um bolero, lê um bom livro.
Um prazer? Trabalha com alegria.
Um odor? O cheiro da maçã, do manjericão, da hortelã...
Uma bebida? Um licor, mas acompanhado da pessoa amada.
Nossa preferência nos descreve.
Que preferes?
Uma boa filosofia? A que gera a paz.
Uma boa história? Que seja a sua.
Bons poemas? Os escondidos em seu coração.
Uma dádiva? Doa primeiramente.
Aprende de vez!
Boas batalhas? Os atos.
Pedidos a Deus? Força, ânimo, coragem...
Algo imenso? O mar.
Algo profundo? O universo.
A perfeição? Deus.

Do livro “O homem que veio da sombra” de Luiz Gonzaga Pinheiro

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Na dúvida não faça nada!

Toda manhã, ao chegar no escritório, abro a bolsa e tiro os óculos e o celular de dentro dela. Hoje, ao fazer isso, para minha surpresa vi que tinha esquecido o celular. Não acreditei que tinha esquecido. Tanto que revirei a minha bolsa várias vezes. Quando me dei por satisfeita, decidi que na hora do almoço – mesmo contra a vontade - iria em casa buscar. Ainda bem que foi o celular. Pior seria se fosse os óculos - pensei.
Foi então que lembrei que eu estava determinada a mandar um WhatsApp para uma pessoa, para tentar resolver uma situação que não estou gostando do jeito que está. E achei que esquecer o celular, tinha sido um “sinal” para eu não fazer isso.
Fui fazer o café e o telefone tocou. Era para mim. Era o Zé. Ele disse que tinha “sentido” que deveria voltar para casa para trocar de carro. Que achava que tinha sido um “anjo”, pois, assim ele viu que eu esqueci o celular. Bom, ele levou o celular para mim.
E agora? Fiquei pensando e questionando: Se um anjo fez com que eu esquecesse o celular, para não enviar mensagem que pudesse piorar (ou melhorar) uma situação, por que outro teria mandado o Zé para casa e com isso achar o meu celular?
Tenho duas hipóteses:
1ª) Eu esqueci para não mandar a mensagem porque ia piorar a situação. Então quem fez eu esquecer foi o anjo bom. O anjo mau fez o Zé voltar para encontrar o celular e assim eu poderia mandar a mensagem.
2ª) Eu esqueci para não mandar a mensagem porque ia melhorar a situação. Então quem fez eu esquecer foi o anjo mau. O anjo bom fez o Zé voltar para encontrar o celular e assim eu poderia mandar a mensagem.
Enfim... Na dúvida (palavras do Zé) não mandei a “dita cuja” da mensagem.
Decidi que o melhor a fazer é orar pelas pessoas envolvidas. 

domingo, 2 de julho de 2017

Comemorando 06 anos de união

Parabéns para mim, e para o Zé, que hoje estamos comemorando 06 anos de união. Na verdade comemoramos ontem, indo almoçar no Feijão com Tranqueira. Isso porque hoje ele está lá no Mario Gatti. Ontem ligaram falando para ele ir tentar internação, para ver se conseguem operar o dedo dele amanhã.
Se não fosse por isso também não ia dar para fazer nada de diferente durante o dia, pois, seria dia de irmos ficar com a mãe dele. 
Não tem problema. Comemorar a gente comemora quase sempre. Todo mês! Seja abrindo um vinho. Indo jantar fora. Ou mesmo ficando em casa, vendo um programa legal na TV. Ou então... Como hoje. Mandando mensagens um para o outro. É a vida! Faz parte.rsrs

*** Pós-escrito de 07 de julho.
Como não conseguiu internação no Domingo, o Zé voltou para casa no final da tarde. 
Enfim... A operação aconteceu hoje. Graças a Deus deu tudo certo. Mesmo sendo pelo SUS (que muitos falam mal) ele foi super bem tratado e em menos de um mês já está operado. 

O Quarto Estado Da Água


A peça “O Quarto estado da Água” tem no elenco: Anderson di Rizzi, Kiko Pissolato e Herbert Richers Jr. E os músicos: Thayna Oliveira, Ricardo Venturin e Gerson Silva Jr. 
A montagem nasceu do encontro entre a diretora Bia Szvat e o ator Anderson di Rizzi. Ela explica que o espetáculo faz uma analogia da vida dos personagens com os estados da água.
Sinopse: A história se passa em cima da laje de um prédio, com três homens que fogem de uma festa de ano novo (no andar térreo) e sobem para respirar um pouco. A partir daí, confissões, angustias e memórias surgem e um jogo de memória entre presente, passado e futuro entra em cena. Do alto do arranha-céu, os personagens questionam qual é o lugar do homem neste mundo contemporâneo, onde novas sexualidades e novas formas de amar estão cada vez mais latentes, em contraste a uma crescente onda conservadora.


Não vou opinar muito, porque não entendi a mensagem - o recado. Em cena, três homens que pareciam que mais deliravam - talvez pelo efeito da bebida, afinal, em uma festa de réveillon, com certeza beberam bastante. Por isso, a impressão que dava é que não falavam nada com nada. Pelo jeito estava em jogo a sexualidade de um deles. Eu não estava entendo nada esse negócio de quarto estado da água. Até que explicaram. E mesmo assim continuei sem entender. Achei até que fosse invenção deles. Mas agora... Pesquisando... Não é que existe mesmo! Vejam no final desta postagem.
A peça em si é bem dramática. Percebe-se pelo silêncio do público. Achei interessante a decoração. Sacos plásticos com água pendurados. Em alguns momentos eles brincam com esses saquinhos. 
Quando entramos na sala, vimos que os músicos já estavam no palco. A moça com o violoncelo, e os rapazes revezaram entre acordeon, saxofone, pandeiro, etc. Durante toda a encenação eles faziam sons, dos instrumentos e outros, ajudando ainda mais com a dramatização.
Ao final da peça, os atores convidaram a platéia para um bate papo. Nós não ficamos porque já era tarde, e o Zé tinha que ir ao hospital logo cedo, no dia seguinte.