segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Escritores da Liberdade

Sabe aquele dia que você não está a fim de sair de casa? Ontem foi um deles. O Zé sugeriu alguns lugares, mas não teve jeito. Eu queria mesmo era ficar quietinha. Se possível sentadinha no sofá vendo um filminho. Então comecei a procurar no Netflix e encontrei “Escritores da Liberdade”. Li a sinopse e vi quem estava no elenco. Gostei dos dois. Até que não foi difícil decidir. Sem muita demora, baixamos a cortina e começamos a assistir.


Título: Escritores da Liberdade (Freedom Writers)
Ano: 2007- EUA
Elenco: Hilary Swank, Patrick Dempsey, Ricardo Molina
Gênero: Comédia dramatic

Sinopse: Uma jovem e idealista professora chega à uma escola de um bairro pobre, que está corrompida pela agressividade e violência. Os alunos se mostram rebeldes e sem vontade de aprender, e há entre eles uma constante tensão racial. Assim, para fazer com que os alunos aprendam e também falem mais de suas complicadas vidas, a professora Gruwell (Hilary Swank) lança mão de métodos diferentes de ensino. Aos poucos, os alunos vão retomando a confiança em si mesmos, aceitando mais o conhecimento, e reconhecendo valores como a tolerância e o respeito ao próximo.
Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-60975/

****
Para mim, filme bom é aquele que depois que termina a gente fica refletindo. E esse foi um desses. Aliás, não só refletindo. Quando ele terminou, eu e o Zé estávamos discutindo. Ele discordando de algumas coisas. Eu tentando o fazer entender que não tinha outro jeito. E é bom eu parar por aqui senão dou spoiler. Eu não ligo que me contem (até prefiro), mas sei que a maioria não gosta.
Na verdade, quem lê a sinopse deve imaginar. Outro filme sobre professores que conseguem transformar alunos problemáticos em cidadãos comuns. Porém, o método utilizado pela professora, foi bem diferente. Ela utilizou a leitura e a escrita. Para quem gosta dessa dupla, o filme se torna mais envolvente – emocionante. Aliás, a interpretação da Hilary foi brilhante. Ela se emocionava com os alunos. E transmitia isso para quem estava do outro lado da tela. Eu chorei. Várias vezes.
No fim, ficar em casa, em um Domingo, foi uma ótima opção. 

sábado, 24 de setembro de 2016

E a internet cai.

Tem horas que eu fico com o saco cheio. Agora por exemplo. Estou em casa. De boa. Algumas coisas para fazer, mas não quero. Resolvi aproveitar - já que o Zé está tocando violão - para mexer no meu blog. Estou tentando há mais de uma hora. O net ligado e o wi-fi só que cai. Um tombo após o outro. De cinco em cinco minutos. Não é para ficar de saco cheio?
No fim vou ter que desligar o net porque daqui a pouco vamos pra casa da sogra. Ficaremos lá a tarde toda.
Estou no celular. Internet da Claro. Que daqui a pouco vai dizer que já usei 50%. E mais um pouco 100%.
E eu não terei conseguido fazer metade do que gostaria.
Quando é pra gente ganhar tempo. É onde a gente mais perde. Na internet. Ou... Tentando usar a infeliz.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Ganhando passagem de avião

Existem pessoas que fazem coisas pra gente. Tanto coisas boas como ruins. As ruins eu prefiro esquecer. Mas as boas... Essas são inesquecíveis. E se formos tentar entender o porquê eles fazem isso, na maioria das vezes não encontramos explicação, não é mesmo?
Tem muita gente que fez (e faz) muita coisa boa pra mim. Por mim!
Hoje, em especial quero citar o Affonso. Conhecemos o Affonso na academia. Ele treina no nosso horário. A turma das 19h30min. Uma das mais agitadas da academia. Damos um pouco de trabalho para o personal. Mas isso é outra história. rsrs
O Affonso se tornou um grande amigo. Literalmente. Ele tem quase dois metros de altura. rsrs Ele é empresário do ramo de transportes. Gente fina! E muito simples!! Ele está sempre  preocupado com todos. Patrocina o time de futebol do Léo, o estagiário da academia. Dá-se bem com todos. Mas percebi que ele simpatizou com o Zé. Tanto que vive tentando ajudar de uma forma ou outra. Foi ele que convenceu a esposa a empregar o Zé na empresa dela. No fim não deu certo. O Zé também simpatizou com ele. Tanto que se sente a vontade de contar o que anda fazendo. Ou tentando fazer. E sempre conta com o apoio do Affonso.
Mas, na segunda-feira, o Affonso nos surpreendeu. No final do treino, ele falou para o Zé que tinha duas passagens de avião. Perguntou se a gente (eu e Zé) queria. Não pensamos duas vezes. Aceitamos.
No mesmo dia, chegando em casa, passamos nossos dados para ele, onde gostaríamos de ir e as datas.
Dois dias depois ele enviou os dados das passagens.
Eu fiquei sem palavras na hora. Apesar de saber que ele não estava brincando, fiquei meio sem acreditar. Só acreditei quando o Zé mostrou o e-mail do Affonso com os dados das passagens.
Fiquei muito feliz. Vou conhecer um lugar que ainda não conheço. E graças a uma pessoa que conheço há pouco tempo.

Segunda-feira nós veremos ele novamente. Vou agradecer pessoalmente. Não sei se teria alguma outra maneira de eu agradecer esse maravilhoso presente.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Templo Budista - Zu Lai

Ontem fizemos o segundo passeio pelo Sesc. Fomos conhecer o Templo Budista Zu Lai, em Cotia. Que lugar lindo! Encantador!!


Eu já estou ficando fã desses passeios. Eles são bastante organizados. Servem café da manhã (lanchinho) dentro do ônibus. Dessa Vez teve até brincadeira. Os guias muito atenciosos e bem preparados. Dessa vez o guia foi o Daniel e no ônibus também estavam duas professoras de Yoga – Leila e Mônica.
Sei que por tudo isso, eu nem acho ruim acordar cedo. Só para constar, o Zé pagou R$ 130,00 o passeio. Com direito a almoço.


Chegando ao templo, foi a vez do Francisco (o guia do templo) contar a história do surgimento do templo e nos levar em cada espaço do lugar. E por cada um que passávamos, ou cada estátua, ele contava a história. Foi ali que ficamos sabendo que aquela imagem do Buda (gordo) que nós conhecemos não é do verdadeiro Buda. Ficamos sabendo também que até hoje só existiu um Buda. E o nome dele é Sidarta Gautama.

Francisco - o guia do Templo
Fomos autorizados a entrar na sala onde se faz a oração pelos antepassados. Acendi incenso em todo lugar que podia. Todo o grupo pode fazer meditação – 10 minutos – sendo orientados por Francisco. Ele foi muito cuidadoso, e nos ensinou a massagem que temos que fazer após a meditação. 
Eu e o Zé fomos conhecer o lago e quando encontramos um gramado, debaixo de uma árvore, deitamos um pouquinho para descansar. E cochilar. Depois fomos almoçar.


O restaurante estava lotado. Deviam caber umas 100 pessoas. Tinham umas 05 fileiras de umas mesas compridas, de cada lado do salão. Nessas mesas senta-se só de um lado, ou seja, ficamos de costas para quem está na mesa de trás. Somente quem senta na  primeira fileira, fica de frente com a pessoa que está na fileira do outro lado.  E no meio fica um espaço, onde, no canto tem um altar. Tinha muita comida. Vegetariana. Eu até que comi.rsrs
Depois do almoço veio àquela preguiça. E ainda tinha mais umas duas horas para enrolar, antes da atividade que as professoras de Yoga iam dar. Ficamos andando. Tirando fotos. Comendo. No horário marcado 15h, todos estavam reunidos. Fizemos um agradecimento e uma pequena meditação sentados no chão, em um dos corredores do Templo.
Depois foi hora de partirmos. Foi mais um passeio maravilhoso. Adorei. Tanto que quero voltar, e dessa vez... Levando a minha mãe. 


Sobre o templo e o Budismo:

sábado, 17 de setembro de 2016

Isso é tudo que eu tenho

Daqui a pouco vou morar dentro de um teatro.rsrs
E cá estamos de novo. Dessa vez para assistir o Stand-Up com o comediante Thiago Ventura. E quem é Thiago Ventura? Não faço a mínima ideia. 
O Danilo - que está de férias- que quis ir. E perguntou se a gente queria ir com ele. Gosto de teatro. Gosto de comédia. Seria uma boa fazer um passeio com meu filho. Já viu, né! Essa moçada cresce e não curte muito sair com os pais. Então, quando surge uma oportunidade, a gente aproveita. E foi o que eu fiz. Compramos os ingressos uns dias antes. Conseguimos na fileira J. 
E o dia chegou. Marcamos de encontrar com o Danilo no shopping. Chegamos faltando uns 15 minutos para começar. Encontramos com o Danilo no saguão do teatro e já entramos. Ele estava todo emocionado. Disse que era a primeira vez que entrava em um teatro. E ia ver um ídolo.
Ao entrar, vimos um rapaz passando pelo meio das fileiras cumprimentando as pessoas. Era o Thiago. O Danilo falou que é costume dele fazer isso mesmo. 
Na apresentação Thiago faz piadas sobre a decisão de largar o emprego de bancário para se dedicar à carreira de comédia. Além disso, o comediante conta também histórias de sua infância, sobre o relacionamento com sua mãe e com os amigos do bairro. Sobre as histórias da infância, foi hilário ele contar sobre uma vez que foi ao Playcenter com amigos. Das brincadeiras no bairro falou da época em que soltava pipa. Eu me identifiquei quando ele começou a contar da bolinha de gude. Brinquei muito disso! E para fazer o buraco no chão? A gente colocava o calcanhar e girava. O Thiago fez isso no palco, o que rendeu muitas gargalhadas.rsrs
Ele realmente é muito engraçado. Os gestos eram perfeitos. Ele fazia o papel dele e da mãe. Dele e dos amigos. E de vez em quando dava lições de moral - geral.
Muito bom. Muito bom mesmo! E não é exagero meu. O teatro estava lotado. E isso porque ele estava se apresentando todos os sábados. E tinha gente de todas as idades. 
Nós todos nos divertimos muito. O Danilo principalmente.
Saindo do teatro fomos conhecer o "Festival Gastronômico", que estava acontecendo em um dos estacionamentos. A noite estava agradável, o que fez o local estar bem cheio. Sem condições de comer por lá. Se pegasse um prato, ia ter de sentar no chão. Então resolvemos ir comer algo no Piu Piu.
Danilo, eu e Zé - no Festival Gastronômico

Por que tudo está tão caro?

Quero deixar registrado - mais uma vez - o quanto acho um absurdo o valor dos produtos de higiene pessoal. O quanto eles encareceram ao longo dos anos. 
E não é para reclamar? Esses cinco produtos da foto acima, custaram nada mais, nada menos que R$ 169,14. Nunca imaginei que um dia ia comprar shampo e condicionador e pagar parcelado.
E não pensem que eu sou uma dessas que reclama e não faz nada. Eu perguntei à minha cabeleireira se não tinha produtos mais baratos do que os dois da frente, que é o que ela recomenda para o meu cabelo. Ela recomendou os três que estão atrás, mas não aliviou muito.
Sei que poderia ser pior. Eu poderia estar indo na cabeleireira fazer essa hidratação. Aí sim, ficaria muito mais caro.
Eu acho um abuso dos fabricantes. Eu fico muito revoltada, porém, sei que isso é um mal necessário. Se não uso, fico com os cabelos arrepiados de seco. Se uso fico com os cabelos em em pé de susto. bem assim...

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

BEATLES 4EVER!

Ontem fomos assistir Beatles 4Ever no Teatro Iguatemi. Uma cortesia do Correio Cult e do Sergio. Não sou muito fã dos Beatles. O Zé também não. Mas gostamos de algumas músicas deles. Acho que não tem quem não gosta. 
Quando o Zé foi pegar os ingressos viu que nossos assentos eram A26 e A27. Ele pensou em trocar. Achou que seria muito em cima do palco. Ele não queria por dois motivos. Um: geralmente a primeira fileira não dá para ver o palco todo. Dois: caso o show não estivesse bom, ficaria chato sair. A moça da bilheteria disse que poderia trocar por ingressos na fileira "M". Aí achamos que seria muito longe. E não trocamos. Quando entramos vimos que os assentos não eram tão ruins. Nossos assentos ficavam mais ao lado. Porém, ficava bem em frente a caixa de som. E sem hesitar fomos sentar na penúltima fileira. Vai ser difícil lotar o teatro, ou seja, os assentos não teriam donos, pensamos. E ali ficamos. Ainda bem!

O show foi muito bom. Eles tocaram em três blocos. Que foram as fases da banda. Eles tocam muito! Principalmente o que interpreta o George.
Eles cantaram mais de 20 músicas. Acho! Não contei.rsrs
Algumas músicas foram contagiantes, a ponto de levar o público a cantar, bater palmas e aplaudir muito no final.
Os integrantes são bem comunicativos. Conversavam entre as músicas. Eu não entendia nada. Eles falaram o tempo todo em inglês. Só no final que o Ringo apresentou todos os integrantes, falando em português.
Tirando a microfonia que persistiu durante mais da metade do show (por isso falei "ainda bem" termos saído da primeira fileira), e do Paul que não cantou muito bem (na saída ouvi outras pessoas falando sobre ele ter cantado mal) o show foi muito bom. Eu cantei, aplaudi, assoviei e chacoalhei as mãos. Minha dor de cabeça até passou.
O show durou mais de 90 minutos e no final eles ficaram disponíveis no saguão para tirar fotos com quem quisesse. 

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Eu e minha tosse

Eu tenho uma tosse que me acompanha há vários anos. Eu acho que desde os meus 20 anos. E também acho que foi por causa de uma “broncopneumonia” que eu tive um pouco antes dos 20 anos e que não devo ter curado direito. Não sei se esses meus “achismos” tem coerência. Mas enfim... É o que eu acho.
É raro o dia em que eu não dou umas tossidas durante o dia, porém, ela é mais frequente a noite. Já fui ao meu médico e falei sobre isso. Ele já perguntou se tinha cortina no quarto. Se meu marido fuma. Eu ele sabe que não fumo. Ele coloca aquele aparelho para escutar minha respiração e nunca deu nada. Ele disse que pode ser alergia de alguma coisa.
O que causa essa tosse, eu não sei. Sei como ela começa... Geralmente eu sinto uma coceira entre a garganta e o pulmão, e aí a tosse vem.
Ontem fiquei incomodada porque o Zé reclamou. E percebi que reclamou sério. Disse que às vezes tusso muito alto. Que incomoda o sono dele. E como eu sei que ele tem o sono leve, fiquei super mal.
Tanto que a noite, quando sentia que ia tossir, enfiava a cabeça no travesseiro. Cheguei a espirrar o spray de própolis (com mel e gengibre) que deixo ao lado da cama. Em outro momento, levantei e fui à cozinha beber água. Também fui ao banheiro e aproveitei para tossir enquanto dava descarga. Para o barulho da tosse não aparecer.
Faz tempo que o Zé pega no meu pé por causa disso. Mas, dessa vez senti que estou prejudicando ele. Ele já chegou a marcar consulta com o pneumologista. Eu não fui.
Só que depois de ontem, acho melhor começar a procurar um especialista para descobrir o que ocasiona essa tosse e tentar curar. Senão meu casamento vai acabar. 

domingo, 11 de setembro de 2016

Aniversário Bruno

E encerrando as comemorações dos aniversários, ontem foi a vez do Bruno. Combinamos de cada um levar um pouquinho de carne - ou linguiça ou asa de frango – ou o que quisesse para comer, e o que fosse beber. O Fernando encomendou um kit com bolo, docinhos e cupcakes. Ele mandou fazer um painel com o desenho dos Vingadores, que foi o tema da festa. A decoração e tudo o mais ficou por conta dele, com a ajuda da mãe e das irmãs (dele) e da Silvana – minha irmã.

Para não falar que eu não fiz nada. Na sexta feira comprei as forminhas dos docinhos, bexigas, pratinhos, garfinhos, a vela. E na hora fiz o vinagrete. Não basta ser mãe, tem que participar. 
Teve também um bolo de abacaxi que o Zé comprou. A Rose fez uma farofa de soja e uma pasta de alho. A mãe do Fernando fez a maionese e farofa. O Bruno fez arroz.
Eu tinha saído com a Silvana para comprar tomate e salada. O Fernando com o Zé para buscar o kit. Na casa ficou a família do Fernando. No fim, quem fez a surpresa foi o Bruno, que chegou antes do esperado. Na verdade ele estava no horário, nós é que nos enrolamos. Não deu tempo de preparar tudo até ele chegar. Fico imaginando a cara do Bruno chegando e vendo a decoração. A gente devia ter pedido para a Rose enrolar ele, mas nem pensamos nisso. 







A festa rolou até a noite. Fez calor demais a tarde. E esfriou bastante a noite. Eu fui a última a ir embora. Tomei até café. Estava tudo muito bom!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Como eu era antes de você

Filme: Como eu era antes de você (Me Before You)
Elenco: Emilia Clarke, Sam Claflin, Janet Mc Teer
Gênero: Drama, Romance
Sinopse: Rico e bem sucedido, Will (Sam Claflin) leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.
Minha vontade de assistir esse filme cresceu, após me apaixonar pela trilha sonora dela. Falei sobre Not today – aqui. Eu não conheço os atores. Sabia que o filme é baseado em um livro. Muito comentado, por sinal.
Assistimos ontem. Foi feriado. E eu tinha feito cirurgia no dente. Então tinha que ficar quietinha. Sendo assim, nada melhor que ver um filminho, não é mesmo?
Um breve resumo: Will tinha uma namorada, que após o acidente começou a namorar e casou-se com um amigo em comum. Mas não foi ela que abandonou Will. Depois do acidente, ele se revoltou e não quis mais vê-la. Mas, eu achei que no fundo ele ainda nutria um amor por ela.
Louisa tinha um namorado. Ela usava umas roupas muito coloridas – bem “loucas”. O visual dela fazia Will rir. No início, ela pensou em largar o emprego, devido a arrogância dele. Mas não podia, pois, tinha que ajudar a família.  Até que um dia, ela falou umas "verdades" para ele. E após esse dia, ele passou a ser mais gentil. Ela o convence a sair e, com o tempo se apaixona por ele. E começa a fazer de tudo para fazê-lo mudar de ideia sobre seus planos futuros.
O meu parecer: A atuação dos atores foi fantástica. Sam representou muito bem o papel de um tetraplégico. Reparei na posição que o pé dele ficava na cadeira de rodas. As caras que Emilia fazia eram demais. A história é muito boa, mas não me agradou o final. É lógico! Eu acho que, se o Will tivesse se apaixonado por Louisa, teria mudado de ideia. Aliás, eu achava que o filme era a história dele. E não dela. Ou seja... Pensei que ele mudaria depois que a conhecesse. Mudou! Mas não o suficiente.

domingo, 4 de setembro de 2016

Aniversário da Duda

No ano passado o aniversário da Adriana (28/08), da Dudinha (04/09) e do Bruno (08/09) foram comemorados juntos. Este ano eles resolveram comemorar, cada um na sua data. Ou seja, festa todo final de semana. Gordices e mais gordices. Se tinha alguém de regime. Dançou.rsrs
Semana passada nós festejamos com a Adriana. Hoje foi o dia da Dudinha, que está completando 07 aninhos.
A festa foi na casa da minha mãe. É que o Sérgio e a Karen – pais da Dudinha moram em apartamento. E como eles queriam fazer churrasco, preferiram fazer na minha mãe.
A Karen fez o bolo, os brigadeiros e a decoração. Essa minha cunhada é o máximo! O Sérgio ficou cuidando da churrasqueira. 
A Dudinha estava super feliz. Ela e os primos. Brincaram bastante. Ela parecia uma princesa, na hora de cantar parabéns. Toda de rosa!

Bolo da Karen



Duda, Giovana, Felipe e Leandro

Duda com alguns presentes
Foi mais um dia de muita festa. E muita comilança, que se estendeu até o anoitecer.