quinta-feira, 12 de abril de 2018

Ficando com o Henrique pela primeira vez

Sábado foi o primeiro dia que fiquei com o Henrique. Por algumas horas...
A Deborah trabalha com a mãe na pastelaria. Ela leva o Henrique junto. E no último mês ele começou a levantar, ou seja, não quer mais saber de ficar deitado, ou sentado. Então ela trabalha com ele no colo. Fico com dó. Dos dois. Mas, infelizmente eu preciso trabalhar, senão ficaria com ele, para ela poder trabalhar sossegada.
Eu me ofereci para ficar com ele de sábado. Geralmente a Bruna (irmã da Deborah) pega ele, por isso quando me ofereci, falei que, caso a Bruna não fosse ficar com ele, eu gostaria. E fiquei surpresa quando a Deborah falou que nesse sábado já poderia. Fiquei muito feliz. E depois apreensiva.
Por que apreensiva? Faz muito tempo que não fico com um bebê. Minha caçula tem 23 anos.rsrs
Amor eu tenho muito. Só que só amor não basta. Tinha mamadeira e papinha. Além de não saber se ele ia estranhar o apê. Depois a casa da dona Odete. Ou até mesmo a gente, até porque eu fiquei quase 01 mês fora.
Combinei com a Deborah que iria pegar o Henrique no apê. Chegamos lá às 9h30min. O Danilo e a Deborah vieram juntos. Deixamos os dois no centro.
Chegando em casa, ligamos a TV no canal de desenho. Depois forrei o tapete com o lençol e coloquei meu ursinho de pelúcia, minha boneca (Mônica) e o que achei que ele poderia brincar. Mas acha que ele parava ali? Não! Ele saia engatinhando pra fora do lençol, do tapete. E eu atrás.
Quando foi 11h30min esquentei a papinha para o Henrique comer. Ele demorou mais de meia hora para comer. Comecei dando a papinha com ele sentado. Terminei com ele no colo e a gente andando pelo apê. Rsrs Esquentei umas 04 vezes. Mas ele comeu tudinho.
Depois fomos para a casa da dona Odete. O Henrique gosta de andar de carro. A Deborah disse que ele gosta de ônibus também. Ele fica olhando o movimento. E soltando gritinhos, sons... Dava risada. E de repente, ele abaixou a cabeça e dormiu. Foi tão de repente que até assustei.
Chegou dormindo na dona Odete. Ajeitamos o sofá e ele dormiu ali mais um pouquinho.
Acordou, segundo o Zé, com o bip bip do microondas. Eu estava esquentando o almoço. Ele estranhou a casa da dona Odete. Ficava olhando para tudo. Quando ela vinha brincar com ele, ele chorava. Fiquei com ele no colo até que decidi passear com ele. Decidi ir na Miami ver o Danilo. Assim o Henrique veria o pai e acalmava um pouco.
Ele foi olhando os carros e balbuciando. Como se estivesse comentando o que estava vendo.
Agora a cara do Danilo quando entramos... Não tem definição.rsrs Coruja que é, pegou o Henrique e saiu mostrando para os colegas do trabalho. O Henrique ficou se arreganhando para as moças. Ele não estranhou o lugar, nem as pessoas. Fez festa!
Ficamos lá uma meia hora. Aí o Danilo saiu para almoço. E nós fomos embora. Tinha atravessado a rua. Já estava na calçada do liceu quando olhei pra trás e vi o Danilo olhando pra gente. Parei e ele veio correndo. Pegou mais um pouco o Henrique e falou que ia acompanhar a gente até a casa da dona Odete. Então falei que não ia direto. Ia ficar passeando ali, na calçada. Estava uma sombra gostosa. E na avenida passa bastante carro, além do movimento de pessoas. O Henrique estava curtindo. O Danilo deixou a gente e voltou para almoçar. Eu fiquei caminhando com o Henrique. Entramos na igreja. Fui até o altar. Mostrava tudo para o Henrique e falava quem eram os Santos, mostrei Jesus. Ele balbuciava. Bem baixinho. Parecia que sabia que estava na casa do Pai.
Saindo da igreja fiquei com ele na frente da casa da dona Odete, embaixo da árvore.
Quando entrei tinha mensagem da Deborah dizendo que iam fechar a pastelaria. Que eu podia levar ele. Da pastelaria ela ia para a casa da mãe dela.
Amei ficar com ele. Tanto que depois fiquei olhando os vídeos e fotos para matar a saudade. Acho que passei no teste. E estou pronta para ficar com ele mais e mais vezes. Esse foi só o primeiro dia de muitos que virão. Assim espero...

sexta-feira, 9 de março de 2018

Férias... Seja muito bem-vinda!


Desde que eu comecei a trabalhar, em 2007, nunca tirei mais de 20 dias de férias. Essa é a primeira vez. Oficial são 20 dias, mas na real serão 23 dias. Começa amanhã e termina só dia 01/04. E do primeiro ao último dia estarei descansando – viajando. Primeira vez também que farei uma viagem por tanto tempo.
Vou para o deserto do Atacama. Uma viagem que não foi planejada. E também não era meu sonho fazê-la. Foi mais um aproveitamento.rsrs Explico: O Zé faz essa viagem três vezes por ano - a trabalho. Como a gente não sabe até quando o Everson (dono da Mototour e patrão do Zé) vai continuar com ele, achamos que eu ir seria uma boa. Afinal somente eu pagaria.
As viagens ocorrem no mês de Janeiro, Março e Outubro. Como eu já tiro alguns dias entre o Natal e Ano Novo, a de Janeiro ficou fora de cogitação. Eu achava que o mês de Março não seria o melhor mês para eu ir, uma vez que é mês de entrega de Declarações, no escritório. Só que o Zé achou que Outubro iria ficar muito longe e me convenceu a ir em Março. Não lembro o dia – e mês – que ele entrou em contato com o Everson para comprar o meu lugar na Van. Com certeza após Março e antes de Outubro do ano passado. O Everson cobrou R$ 7.000,00 e depois deu um desconto de R$ 1.000,00, tirando as refeições do Zé.
Sabendo os dias que teria que ficar fora, o próximo passo foi comunicar meu patrão. No trabalho foi correria até o último minuto. Nem reclamo, pois, vou ter bastante tempo para descansar. A viagem (e o trabalho do Zé) vai começar na quarta-feira, dia 14, mas já vamos amanhã para passearmos em Foz. Não conheço lá, então achamos uma boa ir uns dias antes para aproveitar.
Apesar de que vou ficar 23 dias fora, o Zé falou para eu não levar muita roupa. Vou com bota no pé para não fazer volume. Levar tênis, uma sandália alta e uma baixa e o chinelo. O Zé disse que em dois lugares que vamos parar temos como lavar roupa, então eu não vou levar muita roupa. Como não tenho mala, peguei emprestado da Dri uma mala e bolsinha de nécessaire. Minha mãe emprestou o travesseiro de pescoço, e a Eliane uma boina. Agora vou dar um tempo aqui para fechar a mala... E dormir... E curtir as férias...

domingo, 4 de março de 2018

Comemorando a Páscoa antecipadamente.


Como não vou estar aqui no Domingo de Páscoa, chamei os filhos, noras, neto para virem comer algo. Também para despedir, uma vez que não os verei até o próximo sábado – dia que começarei a viagem.
Combinamos Sábado, porque o Bruno tinha compromisso hoje. Achei melhor também, porque hoje estou arrumando algumas coisas para a semana. E resolvendo alguns detalhes para a viagem (como qual máquina fotográfica levar). Lavando algumas roupas que vou levar.
Voltando para ontem...
Perguntei o que eles preferiam comer e a opção foi pizza.
Chegando em casa, após passar a tarde com a dona Odete, já arrumei a mesa e pedimos a pizza. Logo que todos chegaram a pizza chegou também.
Nosso encontro só não foi perfeito porque a Deborah não veio. O Danilo trouxe o Henrique. Ele ficou com o Henrique enquanto comemos. Assim que eu terminei fui ficar com o Henrique para ele comer. De sobremesa compramos sorvete.
Após comermos ficamos conversando. Não muito porque a moçada fica mais no celular do que conversando. Não tem jeito! Só se eu confiscar os celulares na entrada. Mas aí eles não vêm mais em casa.rsrs

Mas agora não sinto tanto, porque fico com o Henrique. Ficava com ele na sala. De vez em quando levava ele na cama. Ali ele ficou rolando, engatinhando. De vez em quando parava de barriga pra cima e ficava olhando o “filtro dos sonhos” (enfeite que tenho na cabeceira da cama). Ele ficou olhando atentamente (acho que porque as penas ficavam balançando com o ventinho do ventilador) e conversava, soltava uns gritinhos. Eu fiquei do lado, só observando e amando ver ele fazendo tudo isso.
Para a Páscoa não passar em branco, eu comprei um chocolate para cada um dos filhos e para as noras.  Pensei em comprar ovos. Mas estavam caros. E eles já estão grandinhos para ganhar ovos, não é?
O Henrique já tinha mamado. Feito cocô e estava (esfregando o olho) ficando com sono. Então resolveram ir embora.
Eu amei a presença deles. Pena que a Deborah não veio. Mas é difícil juntar todos mesmo. Quando não é um, é outro que não está presente. Quem sabe na próxima Páscoa!!

quinta-feira, 1 de março de 2018

Trilha Sonora (novelas) - Saramandaia

Dessa novela não lembro nada! Também nem tem como. Com certeza não tinha televisão em casa. E nem que tivesse! Pelo horário que foi transmitida, meus pais não iam me deixar ficar acordada vendo TV. Eu tinha 08 anos (dias depois da estreia faria 09). Mas eu lembro de uma música em especial. Devo ter ouvido muito no rádio. Ou a mulherada cantando. Quando eu era pequena tenho muita lembrança das mulheres que, enquanto lavavam, quaravam ou estendiam as roupas, elas cantavam. Os quintais não tinham muros. Somente cercas de arame farpado. Isso quando tinha! Então a gente ouvia. E a música ficava gravada na memória.

Enfim... A décima segunda música que escolhi para compartilhar, da "Trilha Sonora - Novelas", é "Pavão Mysterioso" com Ednardo. Será que mais alguém conhece?rsrs

Se quiser ouvir a música, ver o vídeo e a letra, clique AQUI.


Título: Saramandaia
Horário: 22:00
Data de estreia: 03/05/1976
Canal do Programa: Rede Globo
Tipo de Programa: Novela
Autoria: Dias Gomes
Direção: Walter Avancini

Sinopse: A cidade de Bole-Bole reúne as figuras mais inusitadas. Zico Rosado solta formigas pelo nariz. Dona Redonda explode de tanto comer. Marcina, quando excitada queima todas as coisas nas quais encosta. E o professor Aristóbulo é na verdade um lobisomem, que perambula, pela madrugada. No centro da trama, está a discussão entre os poderosos da cidade. Os mudancistas João Gibão e Lua Viana, assim como o coronel Tenório Tavares, querem que o nome do vilarejo mude para Saramandaia. Os tradicionalistas, liderados por Zico Rosado, preferem que tudo fique como está.

Elenco:
Alciro Cunha – Firmino
Ana Ariel – Dona Santinha
Ana Maria Magalhães – Dalva
Antônio Fagundes – Lua Viana
Apolo Correia – preso
Ary Fontoura – professor Aristóbulo Camargo
Brandão Filho – maestro Cursino
Carlos Eduardo Dolabella – Homão
Carlos Gregório – Delegado Petronílio
Castro Gonzaga – Zico Rosado
Chica Xavier – Das Dores
Dina Sfat – Risoleta
Eloísa Mafalda – Maria Aparadeira Moreira
Elza Gomes – Eponina Camargo (Pupu)
Francisco Dantas – padre Romeu
Jorge Gomes – Nato
José Augusto Branco – Dr.Rochinha
Juca de Oliveira – João Evangelista
Vianna, o João Gibão
Lajar Muzuris – maestro Totó
Lídia Cost – dona Leocádia
Maria Helena Velasco – Emília
Maria Rita – Rosalice
Marília Barbosa – Bia
Milton Gonçalves
Milton Moraes – Carlito Prata
Natália do Vale – Dora
Pedro Paulo Rangel – Dirceu
Rafael de Carvalho – seu Cazuza Moreira
Reinaldo Gonzaga – Epaminondas
Sebastião Vasconcelos – Tenório Tavares
Sônia Braga – Marcina Moreira
Tereza Cristina Arnaud – Dulce
Vanda Costa – dona Fifi
Wellington Botelho – seu Encolheu
Wilza Carla – dona Redonda
Yoná Magalhães – Zélia Tavares
Participação especial:
Francisco Cuoco – Tiradentes
Tarcísio Meira – Dom Pedro I

Trilha Sonora:
Capim Novo – Luiz Gonzaga
Caso você case – Marília Barbosa
Xamego – Fafá de Belém
Sou o estopim – Sônia Braga
Malaksuma – Geraldo Azevedo
Canção da meia noite – Almôndegas
Borboleta/Sabiá – Alceu Valença
Pavão Mysterioso – Ednardo
Chão, pó, poeira – Luiz Gonzaga Jr.
Jeca total – Gilberto Gil
Juritis e borboletas – Geraldo Azevedo
Bole bole – Walter Queiroz


E você... Tem alguma música da trilha nacional ou internacional que te traz recordações?

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Aniversário tio Roberto

Hoje comemoramos o aniversário do meu padrinho – tio Roberto. O aniversário foi na terça-feira, mas decidiram comemorar hoje, no restaurante “Poeta Grill” que fica no Jardim do Lago. 
A Sandra mandou mensagem durante o dia avisando. Do trabalho fui para a academia e da academia para lá.
Chegamos estavam lá o tio Roberto e a Maria. Minutos depois chegou a Karen e a tia Nice. Gostei de revê-las. Acho que fazia mais de ano que não as via.
Depois chegou a Angela com o Edson e por último a Sandra e o Heitor. Esse restaurante tem um ambiente bem aconchegante. As garçonetes são bastante atenciosas. O dono ficava por ali. Muito atencioso também. Pedimos porção de mandioca. Porção de cebolas empanadas (fritas). E pizza. Como eu estou saindo de uma gripe não quis tomar caipirinha. Fiquei tentada, mas resisti. Tomei limonada. Dois copos.rsrs O pessoal foi de cerveja e chopp.

O dono do restaurante o tempo todo passava na mesa para saber se estava tudo em ordem. Se o tio estava satisfeito. Se estava gostando. E por fim, trouxe um pavê de abacaxi com velas para cantarmos parabéns. O tio ficou surpreso e feliz!

P.S. No dia 14 (que a Sandra corrija se eu estiver errada) foi o aniversário do Heitor. Cumprimentamos ele também.