segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Depende de mim!

Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer   antes que o relógio marque meia noite.
É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje.
Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição.
Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício.
Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por esta.
Me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido.
Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho.
Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus.
Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades.
Se as coisas não saíram como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar.
O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser.
E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma.
Tudo depende só de mim.
Charles Chaplin

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

De Repente 30

Título: De Repente 30 (13 Going 30)
Data de lançamento: 20/08/2004 (1h38min)
Direção: Gary Winick
Elenco: Jennifer Garner, Mark Ruffalo
Gênero: Comédia, Romance, Fantasia
Nacionalidade: EUA
Sinopse: Jenna Rink (Christa B. Allen) é uma garota que está descontente com sua própria idade, já que seus colegas mais populares da escola não lhe dão atenção, seus pais ficam sempre no seu pé e o garoto por quem está apaixonada nem sabe que ela existe. A única amizade que Jenna possui é Matt Flamhaff (Sean Marquette), seu vizinho. Para tentar reverter a situação Jenna decide fazer uma grande festa para o seu 13º aniversário, convidando todos os adolescentes que conhece. Porém, o que deveria ser sua consagração se transforma num grande desastre, após Jenna ser trancada em um armário devido a uma brincadeira e ser completamente esquecida pelos demais presentes na festa. Triste, Jenna faz um pedido: virar adulta de repente, para ter a vida com que sempre sonhou. O pedido milagrosamente se torna realidade e, no dia seguinte, Jenna (Jennifer Garner) desperta em 2004 e com 30 anos de idade. De início Jenna fica assustada com as novidades de sua vida, mas aos poucos fica cada vez mais encantada por ter se tornado tudo aquilo que sempre sonhou ser. Porém, quando tenta reencontrar Matt (Mark Ruffalo), Jenna descobre que perdeu contato com ele há vários anos e que agora ele está prestes a se casar.

http://www.adorocinema.com/filmes/filme-46340/

Ontem a noite comecei a passar os canais e estava começando este filme. Até pensei em não assistir, afinal já fiz isso umas duas ou três vezes. Inclusive tenho o DVD. Então dá para imaginar o quanto gosto dele, não é? Porém, não resisti e comecei a assistir.
Como já passava das 23h, imaginei que ia dormir tarde, Pensei até em pegar o DVD e continuar por ele. Assim não teria os intervalos. Parar de assistir estava fora de cogitação. Enfim continuei na FOX mesmo.
O que eu gosto no filme. Os atores. Sou fã do Mark e da Jennifer. As músicas são da minha época – Madonna, Michael Jackson. E falando no Michael, a Jennifer dançando “Thriller” é demais! E o enredo me fascina. Até comento que seria tão bom se todos nós tivéssemos a oportunidade de nos vermos daqui alguns anos e melhor ainda, poder voltar e mudar. No filme vemos o “gatinho” se tornar um “bronco”. E o “patinho feio” virar um “príncipe”. Ou seja, escolher ficar com uma pessoa porque é bonitinha, pode trazer surpresas - ou arrependimentos - no futuro. O que deve acontecer disso no mundo real.rsrs
Bom, eu acredito que não tem quem não goste desse filme. Eu super recomendo!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Bola de neve

Estou bastante apreensiva com o futuro. Estamos vivendo uma crise que sinceramente, eu acho que nunca passei. Passei apertos financeiros alguns anos atrás, mas porque fazia faculdade.
O desemprego está eminente e presente em cada família. Só na minha são dois desempregados. O Zé, desde 2014. E a Silvana.
Mas não é só na minha família. A Célia disse que o marido, genro e filha estão desempregados. A Rosi está desistindo do comércio que é o único sustento da família. Ela está pensando em voltar a trabalhar e está pedindo emprego para a filha.
Minha colega de departamento, o marido está desempregado. A gente comenta que no site EmpregaCampinas, onde estamos sempre dando uma olhada, as vagas de emprego caíram drasticamente. Na nossa área nunca faltou. Ultimamente é uma por mês. E olhe lá!...
Está virando uma bola de neve. Porque sem emprego o jeito é parar de consumir algumas coisas e reduzir outras. É o que eu tenho feito. Se eu ia ao cabeleireiro retocar o cabelo de 20 em 20 dias. Hoje seguro o máximo que posso. Manicure? Agora só em ocasiões especiais.
E eu sei que, diminuindo minhas idas ao salão, elas também terão que reduzir gastos, e assim por diante. E esse é só um exemplo do que estou cortando. Ou diminuindo.
Estou trabalhando. Ganhando pouco. Mas nem posso reclamar. Poderia ser pior. Poderia estar desempregada.
Eu trabalho em escritório. Vejo muitos clientes reclamarem que a situação está difícil. Mas vejo que outros não estão sentindo tanto. Vejo clientes fechando as portas. Vejo outros adquirindo outros bens. Fico sem entender...
Às vezes penso que, se cada empresário que dispensou colaboradores, contratasse ao menos um, já aliviaria um pouco essa crise. Mas, infelizmente não é o que está acontecendo. Muitos estão vendo que os colaboradores que ficaram estão se desdobrando, então deixam como está.
Sinceramente, fico pensando, pensando. Martelando as ideias, tentando entender o que está acontecendo. Ver de quem é a culpa. Uma coisa eu sei. Se a situação não está fácil para mim, imagine para aqueles que estão desempregados. Só Deus mesmo para nos ajudar em uma hora dessas. E qual a solução? Não desistir de procurar e orar. Orar muito para Deus tomar conta, porque o mundo está cada vez mais perdido. E quem está pagando o “pato”, somos nós.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Devagar, por favor.

Infelizmente vou reclamar mais um pouco do tempo. Ou da falta dele!
Sei lá... Sinto que eu fico correndo atrás dele. E não consigo o alcançar. 
Se eu durmo demais é ruim porque não consigo fazer tudo que queria. Por outro lado é bom porque descanso. E também não quero ficar acordando cedo no fim de semana.
Se depois de um dia de trabalho eu saio com as amigas, penso que podia ter ficado em casa descansando. Se eu fico em casa, penso que devia sair. 
Ontem pensei em ir dormir na casa da minha mãe. Aproveitar que é o último fim de semana em que o Zé está viajando.
Mas não fui. Acho que ela poderia querer descansar. E também eu queria ficar assistindo a série que comecei a assistir, e quero terminar antes de o Zé voltar.
E hoje fiz os deveres de casa, estou assistindo a série, porém, acho que devia ter ido à casa da minha mãe.
Fico triste por não conseguir fazer tudo ao mesmo tempo. Ah, como gostaria! Se existe uma fórmula gostaria de saber. Por isso sinto que fico correndo atrás do tempo. Sei que a maioria das pessoas diz que correm "contra" o tempo. Mas eu não! Eu corro atrás dele. E se um dia conseguir alcança-lo, eu direi: _ Dá para ir mais devagar, por favor?

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Guardando meu vestido de noiva

No último sábado eu lavei o meu vestido de noiva. Já era tempo. Comigo o processo é lento.
Meu vestido no varal
Ainda não sei o que vou fazer com ele. Por mim, o deixava pendurado para, de vez em quando ficar admirando.
Mas, além de sujar, ocuparia muito espaço.

Então hoje, depois de admirar mais um pouquinho, dobrei-o cuidadosamente, para finalmente guardar. Peguei uma caixa para ver se caberia dentro. Achei que não. No fim ele coube dentro de uma embalagem plástica – de um jogo de lençol.
Bom, enquanto não encontro um destino, vou deixá-lo no meu guarda roupa. Ali ele ficará bem. E quando eu ficar com vontade de olhar, é só tirar da embalagem.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Downton Abbey

Ontem eu comecei a assistir a série "Downton Abbey". Foi indicação da Karen, que já disse ter visto duas vezes.
Não que eu tenha terminado "Gilmore Girls". Dei uma pausa até o Zé voltar de viagem. Também tem Tereza Batista, que ganhei de presente de Natal do Bruno. Como o Zé disse que quer assistir também, então vou aguardar.
Mas, queria assistir algo enquanto ele não volta. Foi então que o Bruno aconselhou eu perguntar para a Karen sobre essa série.



Assisti 04 episódios, é só parei porque vim para a casa da minha sogra (aqui não tem internet, então não dá para continuar assistindo), senão estava assistindo até agora.
Quando eu terminar os 43 episódios eu faço uma postagem sobre essa série. 
Por enquanto só queria deixar registrado que estou viciada em seriados.
Não sei se isso é bom, ou ruim.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Última prestação do carro!

Hoje às 13h59 o Bruno mandou no whatsapp: "paguei a última do carro".
Que felicidade! Acho que até mais do que quando ele comprou, há quase 48 meses. Dei-lhe parabéns, e falei que além de feliz, eu estava muito orgulhosa por ele ter conseguido. Sei que não foi fácil. Ainda mais para ele que paga aluguel, etc. Mas ele conseguiu. Ele venceu!
Obrigada Senhor!!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

O Pequeno Principe

No bingo que teve no dia 01, na casa da minha mãe, um dos prêmios foi o livro "O Pequeno Príncipe". O Bruno que levou. E eu ganhei! E não foi marmelada.rsrs
Bom... Terminei de ler!
Também, o livro só tem 91 páginas. E com ilustrações (aquarelas do autor). Além do que, todos sabem, esta obra é de fácil entendimento, cativante. Difícil começar a ler e não querer terminar logo. E depois que termina sente saudades. É o efeito da convivência com esse sensível, doce e encantador menino.
Acho que não existe quem não leu "O Pequeno Príncipe". Eu mesma já tinha lido. Mas, o que é bom a gente quer ver de novo, não é mesmo?
Recordei os personagens e, principalmente as mensagens - ou segredos - da raposa. Elas são utilizadas aleatoriamente pela internet afora, e pelas pessoas em geral. 
Quem nunca ouviu a frase "só se enxerga bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos".
Não vou escrever o enredo porque todos conhecem. E quem não, pode encontrar alguns muito bons na internet. Se bobear não precisa nem ler o livro.rsrs