segunda-feira, 15 de julho de 2013

O Pequeno Dicionário Amororso

Sexta-feira, dia 12, 08:33h, recebo um e-mail do Zé escrito assim: Olha só o que tem prá se fazer de "cultural" neste findê em Campinas... se você quiser ir no teatro, é só falar, e eu tento reservar JÁ!
Dentre os eventos, tinha Festa Julina, Exposição, Passeio Turístico, Orquestra Sinfônica, Teatro.
Ah, quando vi que “Pequeno Dicionário Amoroso” é uma comédia romântica (adoro), e que os atores eram Juliana Knust e Eri Johnson, fiquei com vontade de ir. Estava para responder o e-mail do Zé quando ele ligou perguntando se a gente tinha compromisso para o Sábado. Não, a gente ainda não tinha nada para fazer no Sábado. E assim, as 08:56h o Zé mandou outro e-mail, tinha comprado 2 ingressos. Acho que estamos ficando viciados em teatro... Dia sim, Dia não, lá vamos nós!rss
Essa é a 2ª peça que vamos assistir no teatro Brasil Kirin, do Shopping Iguatemi.O Zé comprou os lugares B26 e B27, sessão das 21:00h.
Chegado o dia, não via a hora de começar a peça e conhecer pessoalmente um ídolo. Sempre gostei muito do Eri, acho-o muito engraçado, talentoso e bonito também. Estava um pouco apreensiva pelo lugar que o Zé escolheu, na 2ª fileira, ainda bem que foi no cantinho. Em teatro, para quem não sabe, não é nada bom ficar onde a vista dos atores alcança.rss
Enfim começou a peça. E surgem os dois. Juliana e Eri. Achei-os menores, de altura e largura do que aparentam na telinha da TV. Se bem que sempre ouvi falar que a tela aumenta mesmo. Mas não foi nada que me decepcionasse. Eles realmente são muito bons. Bons também são os atores Camila Rodrigues e Rafael Zulu. Não conhecia nenhum dos dois. A Camila é um barato, fez a gente rir bastante. E como não podia ser diferente, ao atores brincam muito com o público. Teve um momento que o Eri pega uma câmera e sai filmando a platéia, entrevistando. Teve um “coitado” que foi entrevistado, depois disso, seu nome era citado o tempo todo. Em outro momento os quatro atores desceram do palco. Cada um pegou uma pessoa, da 1ª fileira (ufa, escapamos) e dançaram. O rapaz que a Camila tirou para dançar ficou duro, quase imóvel. Devia estar nervoso. Também, dançar com aquele mulherão (grande e bonita), ou então devia estar acompanhado da namorada/noiva/mulher e não quis gerar conflito.rss Sei que foi mais um motivo de muitas gargalhadas.
No final, depois de muitos aplausos, o Eri agradeceu e conversou um pouco com a gente. Desceu, tirou foto com uma fã. Veio bem no cantinho do palco (onde eu estava) e posou para foto. Ele é muito simpático, atencioso, além de talentoso.
Bom, adorei a peça. Adorei ver de perto esses ídolos da TV.
E como vi que tem o filme... Fiquei com vontade de assistir. Sou fã do Daniel Dantas e da Andréia Beltrão. Vai ser bom revê-los!

Sobre a peça:
O espetáculo, dirigido por Jorge Fernando e estrelado pelos atores Eri Johnson e Juliana Knust, estreou no último dia 14 de junho em Belo Horizonte e Campinas é a segunda cidade a receber a peça. Adaptado do filme homônimo de Sandra Werneck (de 1997, com Andréa Beltrão e Daniel Dantas como o casal de protagonistas), o texto traz a reflexão sobre o começo, o apogeu e o desmoronamento do relacionamento amoroso de um casal.

Nesta montagem, as gargalhadas também são inevitáveis com Eri Johnson no palco. Ele vive Gabriel, um homem quarentão, que aposta em Luiza (Juliana Knust) as derradeiras fichas de sua felicidade. Conforme o fogo da paixão vai se transformando em fumaça, os defeitos do casal vêm à tona e o casamento vai virando um desconforto. No elenco ainda estão os atores Camila Rodrigues e Rafael Zulu.

Está é a terceira montagem de “Pequeno Dicionário Amoroso” para os palcos. A primeira em 2000 teve como protagonistas Claudia Gimenez e Ernani Moraes. A segunda em 2002 com Cristiana Oliveira e já com Eri Johnson. As três têm a assinatura de Jorge Fernando na direção.
Sinopse
Direção: Jorge Fernando
A peça teatral baseada no filme de Sandra Werneck, é uma comédia romântica que conta a história de um jovem casal: Gabriel e Luiza, que se conhecem em um cemitério, trocam telefones e marcam um encontro. 

Eles passam a se ver mais e mais, vão se envolvendo, se conhecendo melhor, até que resolvem se casar e morar juntos. A partir daí, a peça começa a retratar o dia a dia do casal com o passar do tempo. A monotonia, suas discussões, rotinas, brigas, questionamentos de sentimentos...O casal começa a relembrar seus tempos de solteiros, das baladas, dos amigos(as), e quando se vêem diante de tamanhas discussões, tomam a decisão, que o melhor mesmo é a separação do casal, e assim é feito. 

Decorrido um tempo de separação, ambos resolvem recomeçar de verdade uma vida nova e procuram um apartamento menor para morarem. Sem saber, o casal entra em contato com o mesmo corretor de imóveis e marcam para visitar um imóvel no mesmo dia e horário. Quando Gabriel chega para visitar o apartamento, encontra Luiza dentro dele com o mesmo corretor. Ambos gostam do apartamento e os dois dizem ao corretor que querem ficar com o imóvel. 

Começa uma pequena discussão de quem vai ficar com o imóvel, quando o casal então chega a conclusão que a única solução para aquele impasse e também para a vida de cada um, é que os dois voltem a morar juntos naquele apartamento. 

E ali, dentro desse apartamento, os dois reatam o casamento, iniciando uma conversa feliz e entusiasmada sobre a nova decoração, divisões de ambientes, etc...


Postar um comentário