terça-feira, 30 de julho de 2013

Quando a gente pensa que tá ruim...

“Para quem tem medo de barata, saber que ela pode voar é desesperador.”
Essa foi a comparação que a Adriana (irmã do Zé) fez em relação ao que está acontecendo com os pais.
Confesso que quando ela falou, fiquei meio sem entender. Depois, refletindo, acho que ela quis dizer isso: “Quando a gente pensa que está ruim... Pode piorar”.  Só que em outras palavras.
Também pudera, em menos de 15 dias os pais sofreram cirurgia!
O Sr. Olympio operou o ombro e 11 dias depois a D.Odete faz uma cirurgia para colocar pino no fêmur (quebrou em uma queda).
Percebi que a Adriana esta assustada, abatida, apreensiva... cansada. E tem fundamento esse cansaço. Ela mora na mesma rua que os pais, sendo assim, tudo que acontece com eles, ela é a primeira a ficar sabendo. É a primeira a correr com eles... E isso tem sido mais freqüente no último ano.
A correria começou há pouco mais de um ano, quando surgiu (e começou a aumentar gradativamente) uma “bola” acima do ombro do Sr.Olympio. Desde então, ela, a Simone e o Zé correm com o pai, para fazer exames e alguns outros procedimentos.
Nesse meio tempo, no mês de Março, poucos dias após fazer aniversário a D.Odete caiu na porta de entrada de casa. Bateu o ombro e fraturou a mão. Que susto!
Já o ombro do Sr.Olympio não estava tendo jeito. Algumas punsões foram realizadas, porém, sem sucesso. Os médicos decidiram que uma cirurgia seria necessária. A mesma foi marcada para o dia 15 de Julho.
No dia da cirurgia, muita apreensão, mas deu tudo certo. Na noite desse dia o Zé foi ficar com ele no hospital. Disse que ele deu trabalho, estava bastante agitado e irritado. Provavelmente efeito da anestesia e medicação. Enfim, ele não dormiu, o Zé não dormiu, o companheiro de quarto também não dormiu. Depois de 3 dias o Sr.Olympio teve alta.
É mas segundo a Adriana, a barata pode voar.
E então, levamos outro susto, e esse foi dos grandes! No dia 24, a D.Odete cai na copa e fratura o fêmur. A cirurgia é inevitável. A equipe médica resolveu fazer no mesmo dia, mas devido um impedimento (o sangue estava fino, efeito de algumas medicações), ela só pode ser realizada no dia 26. No dia todos nós ficamos preocupados e apreensivos.  Porém deu tudo certo, Graças a Deus.
Durante os dias em que a D.Odete ficou no hospital, o Zé e eu dormimos na casa dos pais, para “olhar” o Sr.Olympio. No último Sábado o Zé passou a tarde com o pai. E no dia seguinte ficou o dia inteiro, no hospital com a mãe.
Vejo que ele está bastante cansado. Ficar em hospital é angustiante. Além de tudo isso ter mexido com a sua rotina. Mas nessas horas, não tem jeito. Os filhos têm que se unir e socorrer os pais. E é o que o Zé, a Adriana e a Simone tem feito.
A D.Odete teve alta ontem. Parece que a vida (de todos) começa a voltar ao ritmo normal... Parece que as baratas voadoras estão indo embora.
Postar um comentário