terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Foi sem querer mãe!

Hoje a Drielly foi ao centro e disse que está uma loucura. Lojas lotadas. Muita gente pela rua. Mas, era de se esperar, afinal hoje é dia de pagamento da segunda parcela do 13º salário.
Começamos a comentar sobre o cuidado que devemos ter com as bolsas. Ela disse que já tiraram dinheiro de dentro da bolsa dela e ela nem percebeu. A Ana disse que já foi roubada também. Tudo nessa época. Não esse ano, é claro. Pelo jeito, agora elas estão espertas. Inclusive a Ana disse que já viu, quando estava na fila, as pessoas roubando coisas. Colocando embaixo da blusa, e outros lugares. Mães pedindo aos filhos para esconderem objetos. 
Foi então que me lembrei de um episódio que eu vivi há muitos anos atrás. Com o Bruno. Ele devia ter no máximo uns três anos. Não lembro...
Eu ia muito à cidade. Durante a semana. Aos Sábados também. Não tinha preguiça de pegar um ônibus.rsrs
E toda vez que ia ao centro, de praxe passava nas Lojas Americanas. Naquela época, tinha logo na entrada alguns corredores com balas de todos os tipos. A gente escolhia as balas e levava ao caixa. Agora não lembro se eles vendiam por peso, ou unidade. Bom, isso não vem ao caso.
Um dia, eu saí da loja, segurando a mão do Bruno. Caminhamos por uns 30 metros. Acho! Não tenho muita noção de distância. Atualmente seria como caminhar até metade do percurso entre as Lojas Americanas e a Renner.
Pois bem... Estávamos ali quando o Bruno me mostrou a sua outra mão. Ela estava cheia de balas. Conforme nós passamos pelo corredor ele as pegou.
A hora que eu vi meu coração gelou. Olhei imediatamente para trás, já imaginando o segurança vindo atrás da gente. Não vinha ninguém. Fiquei parada por uns segundos sem saber o que fazer. Volto e devolvo as balas? Será que eles acreditariam que foi o Bruno que pegou sem eu ver? Preferi prosseguir. Achei que ia ficar pior se eu voltasse com as balas na mão. 
Expliquei para o Bruno que, o que ele fez estava errado. Que não era para pegar nada sem me falar. Ele deve ter entendido porque nunca mais pegou. Se bem que eu sempre conferia as mãos dele antes de sair da loja.
Postar um comentário