quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Os casamentos - Parte 7 - Agradecimentos

E os casamentos aconteceram. Foi tudo muito lindo – maravilhoso. A cerimônia. A recepção. Tudo! Tudo!!

Pode parecer esquisito o que vou dizer, mas estou sentindo um pouco envergonhada, pois, vi pessoas se desdobrando para que tudo acontecesse da melhor forma possível. E eu não acho que mereço tanto. E pior, acho que nunca conseguirei retribuir. Não tem o que pague tanta consideração, tanto amor, tanto esforço...
Quando pensei em escrever, fiquei receosa, pois ao citar alguns nomes, posso vir a esquecer de outros. Mas, é melhor deixar um ou outro de fora, do que a maioria.
Vou começar falando da Adriana e Eliane. Quem ver fotos vai concordar comigo o quanto elas foram brilhantes. Elas correram atrás de tudo. Desde o dia que decidimos até o último minuto. 

A Dri criou o evento no facebook, gravou as músicas que seriam tocadas na cerimônia (inclusive escolheu algumas), participou dos ensaios na igreja, bordou as almofadinhas, ajudou a mãe nos consertos dos vestidos. No fim ela deu os espetinhos e comida japonesa de presente pra gente. Ela e a Eliane, foram as responsáveis pela decoração da igreja e da chácara - pensaram em todos os detalhes. Eu dei trabalho até para comprar o vestido. E elas estavam ali, sempre prontas para ajudar, indo junto, ou dando opinião. Foi a Eliane que viu o salão para a maquiagem e cabelo. Até o buquê foram elas que fizeram. A Eliane contratou uma amiga – Rafaela para fotografar. E o Gabriel já tinha dito que daria o chope. Então, aproveito para deixar meus agradecimentos aos respectivos maridos, que direta – ou indiretamente - ajudaram muito.
O Marcos também participou e ajudou muito. Do início ao fim. Foi ele que conversou na igreja se poderiam ser realizados dois casamentos. E tudo que a gente precisava saber ele estava sempre disposto a verificar. Os dias que quisemos ir ensaiar na igreja, ele foi junto. Na última semana ele se prontificou a procurar uma pessoa para ficar cuidando da churrasqueira. Fora que por morar perto da chácara ficou correndo com os utensílios que faltaram.
A Nilda também deu muita força. Ela que forneceu o telefone da Maria que foi quem fez o bolo. Aliás, fica aqui registrado que o bolo estava delicioso. Escolhemos o recheio de doce de leite com ameixa. A Nilda cedeu a casa dela para eu e a Karen nos trocarmos. Fora as correrias dela com o que faltava na chácara. Ela é tão atenciosa que no Domingo levou uma panela com feijão cozido.
Sobrou até para a minha mãe. Ela arrumou o vestido da Karen e da Dudinha. Fez a barra do meu vestido, do dela e da Adriana. Além de fazer as duas almofadinhas (porta alianças).
Bom, muita gente contribuiu para que todo o processo corresse de maneira agradável, sem estresse. A correria é normal. Eu ficava acompanhando – e dando palpites quando solicitado. Não sou muito criativa, então, de vez em quando demorava a entender – ou visualizar – o que elas queriam fazer. Tudo elas mandavam fotos no grupo e a gente escolhia o que mais agradava. Foi assim até na véspera, na escolha das flores para fazer o buquê.
O pessoal no dia estava bastante animado. Uma alegria contagiante. O tempo ajudou muito. A noite estava agradável. Acredito que todos devem ter gostado muito. De tudo.
E eu termino agradecendo essas pessoas maravilhosas que tornaram tudo tão maravilhoso e especial. Minha mãe, Adriana e Henrique, Eliane e Gabriel, Marcos e Nilda, e a todos os outros que a sua maneira contribuíram para que pudéssemos desfrutar de dois dias inesquecíveis. 
Postar um comentário