quinta-feira, 29 de maio de 2014

Desarrumação


Quando precisamos de um tempo para arrumar as coisas, a escrivaninha, o quarto, o escritório, aproveitamos o final de semana para essa finalidade. “Não, eu não posso sair. Eu tenho que arrumar minhas coisas”.
Arrumação é uma coisa importante no ato de organizar, mas há outra coisa na área do pensamento e nos ajuda bastante, que é a capacidade de desarrumar algumas certezas de vez em quando.
Joan Rostand, biólogo e filósofo francês, do século XX, dizia que “refletir é desarrumar os pensamentos”.
Parece contraditório; se imaginaria que a reflexão teria a capacidade de ordenar os pensamentos, mas essa ordenação se dá depois que conseguimos desarrumá-los. Porque a reflexão se propõe a enfrentar algumas certezas que talvez não estejam tão sólidas. É abrir a mente para outras compreensões.
Embora a finalidade da desarrumação do pensamento seja arrumá-lo mais adiante, ainda assim, não se pode descartar a importância a ideia de Rostand.
Refletir é desarrumar os pensamentos, para não deixa-los desarrumados, mas para sermos capazes depois de colocá-los em ordem, mais ou menos como fazemos com um guarda-roupa ou um armário. Tiramos tudo de dentro, colocamos no chão e botamos de volta, organizando de maneira que se possa ter facilidade de localização e manejo daquilo que se usará...

Mario Sergio Cortella (Pensar bem nos faz bem! vol.1)


Outras reflexões:

O lugar da Filosofia
Postar um comentário