terça-feira, 4 de março de 2014

Sem título

1ª parte - O desabamento:
Olhei pela janela e vi aquele prédio enorme. De repente deu um pé-de-vento e o mesmo desabou em cima de outro prédio. Eu saí correndo, pois tinha comigo que o Bruno trabalhava no prédio que desabou. Chegando descubro que não. Ele estaria no "outro". Eu desesperada querendo saber dele. O porteiro deixava as pessoas entrarem e subir pelo elevador para procurar seus parentes. Eu entrei nesse elevador - com mais pessoas. Chegamos a um andar onde elas desceram. Eu olhei para o corredor e foi então que me toquei que não sabia o andar que o Bruno trabalhava. Então, desci. Já de volta àquele lugar do início vi o carro dele na garagem. Agora eu tinha um celular em mãos. Liguei e fiquei sabendo que estava tudo bem com ele. E ele me conta que, quem estava no prédio que desabou, eram as amigas Tamara e a Carol. Estava também a Adriana - minha irmã.
2ªparte - O enterro:
Seria um enterro coletivo. A Adriana e o Ricardo eram alguns deles. Tinha muita gente por ali. Toda a minha família. O Marcos perguntava para uma mulher sobre os preparativos para o casamento. Como pode falar em casamento quando estamos enterrando um parente, pensei. Eu parecia uma louca, chorava, berrava. Eu estava desconsolada. Meio que descontrolada. E no meu inconformismo falava: _Eu estava tão feliz com a vida. Como continuar vivendo se as pessoas começam a sair de nossas vidas. 
3ª parte - O despertar
Não enterrei ninguém. Acordei antes. Graças a Deus!

E já na vida real:
Contei para o Zé, enquanto tomávamos café. Acha que esse é o momento pra contar isso? 
Bom, ele ouviu atentamente - riu em alguns momentos - afinal muito estranho a gente entrar em um elevador de um prédio que tinha sido atingido por outro. Sonho, ora bolas! Quem entende? No fim ele chegou a conclusão que eu devo ter tido esse sonho por causa do filme "A Menina que roubava Livros" que assistimos na semana passada.
Não sei por que deu vontade de ir na minha mãe, fazer uma visitinha pra ela, e de praxe ver a Adriana.
Então liguei pra Adriana para ver se ela estará lá - isso porque ainda estou indo.rss
Contei à ela sobre o sonho, sobre a conclusão que o Zé chegou.
E ela concordando e tirando uma da minha cara, disse:
_Pra você ver como somos lentas. E prosseguiu dizendo - talvez não com as mesmas palavras, mas o significado é o mesmo. Você assistiu o filme semana passada e só agora seu cérebro está processando.
E completou: _Ah, você deve estar querendo vir aqui para ver se estou viva, né? Eu não tinha pensado nisso, confirmando como é lento o processo na cabecinha aqui.rss 
Antes de desligar falei para ela: _ Olha te desejo muita saúde, viu? E em todo caso, procura ficar longe de prédios por um tempo, ok?
Mesmo assim, estou indo até lá... Para confirmar e reforçar.rss
Postar um comentário