quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O FOCO DEFINE A SORTE

Não tinha a menor pretensão de ler esse livro. Nunca nem tinha ouvido falar.
Ver o Danilo tão “concentrado” lendo-o no Natal, aguçou a minha curiosidade.rss
Comecei a ler no dia 26/12 e terminei no dia 05/01, por questão de honra, e porque queria devolver. Só para constar devo ter uns cinco livros – que não são meus - em casa.
Não sei por que eu peço emprestado. Não dou conta de ler nem os meus!
Bom enfim consegui terminar. Não foi fácil. Confesso... Não gostei. Um livro, que apesar de ter apenas 159 páginas, é muito cansativo. Achei que a autora dá muitas voltas, mistura muito os assuntos. No fim, eu já não sabia qual era o FOCO principal.
Após ler e até para "tentar" chegar a um consenso, copiei todos os 131 trechos destacados - pela própria autora - no livro.
Transcrevi abaixo alguns que acredito, dão uma ideia geral do que a autora tenta transmitir.


Quando definimos o que queremos e nos colocamos nessa trilha, estamos exercitando nossa sorte.

Se não enxergamos como agir, ao menos temos de estar dispostos a ouvir as opiniões e as sugestões.

Quem se baseia em ilusões sobre como deveria ser a realidade dará todas as justificativas para não mudar.

Por vezes esbarramos com coisas até melhores do que aquelas sonhadas.

É a escolha que nos angustia que nos tira do centro, que nos faz repensar valores e prioridades.

Cada decisão nos leva a novos conceitos sobre quem somos e o que queremos, mesmo que nossa escolha seja manter tudo como está.

A experiência mais interessante é decidir com desapego.

Fazemos escolhas baseados em o que esperam de nós, o que achamos é o mais sensato, o mais razoável.

Quando não temos foco, andamos na correria sem saber mais para onde estamos indo, nem por quê.

Talvez o maior desafio de nossa vida seja acordar para o instante e colocar nosso foco no agora.

Não sabemos de onde viemos nem para onde vamos, mas ao menos devemos tentar compreender onde estamos.

É sempre tempo de nos desfazermos daquilo que não é mais para seguir na direção do inevitável novo.

A diferença entre dúvida e incerteza é que na primeira situação não sabemos o que fazer e na segunda sabemos.

Foco tem a ver com escolhas, com eleição de prioridades e de objetivos.

Ter o foco voltado para o sofrimento só causa um transtorno maior por dentro e por fora.

O que pode nos manter no rumo é a inspiração maior, o alvo claro, os princípios, as lições aprendidas.

Estamos escrevendo uma única e contínua história, mas podemos mudar os rumos, tirar e colocar personagens.

Mesmo que a caminhada seja árdua, longa, cheia de percalços, ela nos levará para onde desejamos estar.


O FOCO DEFINE A SORTE – A forma como enxergamos o mundo faz o mundo que enxergamos.
Dulce Magalhães 

Postar um comentário