sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Não gosto de falar ao telefone

Eu nunca gostei muito de falar ao telefone.
Acho que tem uma explicação. Traumatizei.rss
Meu primeiro contato com um telefone, foi quando comecei a trabalhar na recepção de um escritório. Eu estava com 14 anos. Era Patrulheira.
Lembro que eu ficava (muito) nervosa quando tinha que atender uma ligação. E com isso, acabava não ouvindo direito o que a pessoa do outro lado da linha estava falando.
Logo saí da recepção e não precisava mais falar ao telefone. Nos outros empregos meu contato com o telefone era mínimo. Quase nada.
Tive meu primeiro telefone (fixo), aos de 21 anos de idade. Já estava casada.
Não lembro exatamente quando ganhei meu primeiro aparelho celular. Sei que era do meu ex-marido. Ele comprou um melhor e me deu o dele. Sei também que logo que a gente se separou, eu estava com ele. Depois quebrei... O celular.
Não adianta. Eu não gosto de falar ao telefone. Só ligo para alguém em último caso. Quem me conhece sabe que eu atender uma ligação...  Raridade. Quase um milagre.rss
Sou adepta dos torpedos. Quando o assunto é mais longo e não tenho pressa... Escrevo mensagem na rede social (off) ou utilizo o e-mail.
Eu só tenho que aprender uma coisa... Que devo ser minoria.
Pelo que tenho percebido a maioria não gosta, não quer ou na pior das hipóteses, tem “preguiça” de escrever.
Não fosse assim, responderiam um torpedo, uma mensagem ou mesmo um e-mail.
Será que vou ter que rever meus conceitos, e abrir mão de escrever para grudar o telefone no ouvido?
Postar um comentário