domingo, 16 de novembro de 2014

Os homens são de marte

O Zé queria muito ir assistir essa peça. Não sei se pelo título ou se pela atriz.rss
Ele quis comprar uma semana antes e não o fez porque estamos cortando um pouco os gastos. E também estamos indo bastante ao teatro ultimamente, então...
Surpresa a nossa quando ganhamos os ingressos do Correio Cult. Ver uma peça que queríamos e em um teatro que adoramos. Excelente!
A peça foi no Theatro Municipal de Paulínia, às 19 horas. Nossos assentos eram na platéia alta: R01 e R03. A princípio achamos que seria muito longe, mas não eram não. Deu para ver e ouvir bem. Até porque a Mônica é alta e tem uma boa entonação de voz.rss
Na peça Mônica Martelli é Fernanda. Uma jornalista solteirona de 39 anos. Ela trabalha com eventos, organizando festas de casamento. A peça toda se passa na sala de terapia, onde ela conta a sua terapeuta suas aventuras - ou desventuras - amorosas. Ela está desesperada para encontrar um homem que queira se casar. E na idade que está qualquer gentileza a faz se apaixonar. São palavras dela. Sendo assim, ela se envolve em várias ciladas.
Ela conhece um político, um playboy, um gay, um naturalista que vive na Bahia. E para os momentos de escassez, ela tem até um "P.A", que seria um DJ que trabalha com ela nos eventos.
A vivência dela com esses homens, ou mesmo a expectativa que tinha com relação à eles, é bem o que vemos, ou ouvimos a mulherada - que estão nesse mesmo barco - comentar. Ou reclamar!
sei que na vida real não e nada engraçado você viver ou ver uma conhecida sua passando por situações parecidas, mas ali, da maneira que Fernanda expressava, sendo em palavras ou gestos, não tinha como não achar muito engraçado e rir muito.
A Mônica também por ser alta, brincou dizendo que o "tamanho" dificulta mais ainda encontrar alguém. Será? Eu não sei. Sou baixinha.rss
No geral, a peça foi muito boa. A interpretação da atriz foi fantástica. O cenário (simples) composto de um sofá e um painel ao fundo. Que acredito, estava ali para que pudéssemos visualizar a silhueta de Fernanda que, ao som de uma música trocava o figurino.
O mais surpreendente foi o figurino. Ela usou um vestido. Somente um! E ele se transformou em pelo menos cinco diferentes modelos. Um para cada situação. Eu achei muito prático. Eu fiquei querendo um igual.rss
O final... Feliz! E pelo que ela falou, teremos continuação.
Vamos esperar para ver!
Postar um comentário