quarta-feira, 20 de abril de 2011

Bruno... Meu primeiro filho


Antes de chegar ao nascimento do Bruno vou falar como sua vinda foi planejada... Na verdade, não foi.rss
Eu e o Rubens casamos no dia 22 de Outubro de 1988, somente no civil (na época eu frequentava uma igreja evangélica). Resolvemos meio "no pulo". Estávamos bastante esgotados com a construção da casa que consumia nosso tempo e dinheiro. De início, compramos a geladeira e colchão (usados) da minha madrinha. O fogão e dormitório compramos em prestações. Ou seja, dívidas era o que não faltava. Eu precisava trabalhar... Por sorte logo arrumei trabalho. 
Com um emprego bom na mão, eu não podia pensar em engravidar. Estava tomando anti-concepcional, aliás, tentando... Nenhum parava no estômago.
Perto do final do Contrato de Experiência, o supervisor do departamento perguntou se eu tinha a intenção de engravidar logo. A empresa tinha planos de me efetivar. Minha resposta foi não. Porém, nesse meio tempo aconteceu de eu ficar grávida.
Sendo assim,  achei chato ficar na empresa, então no final do contrato, pedi demissão.
Bruno com alguns meses (com essa foto fizemos um quadro)
 A gravidez foi tranquila, apesar dos enjôos. Tive também muita azia, que segundo minha mãe era porque o bebê ia ser cabeludo.
O Bruno (escolha do Rubens) Roberto (homenagem ao meu padrinho) Barbosa, nasceu no dia 08 de Setembro de 1989, na maternidade de Campinas, parto normal, peso 3420 e 50cms, era gordinho e bem cabeludo, o cabelo era bem pretinho. 
Meu primeiro filho. Primeiro neto homem tanto dos meus pais quanto dos pais do Rubens. Sendo assim ele foi bastante paparicado.
Seu batismo aconteceu no dia 20 de Maio de 1990 na "Basílica Nossa Senhora do Carmo" eu e o Rubens escolhemos para padrinhos dele o meu irmão Marcos e a esposa Nilda.
Por ser o mais velho foi o que mais sofreu, geralmente é assim mesmo, por isso nós que somos mais novo devemos dar valor à nossos irmãos mais velhos que de uma forma ou outra tornaram nossa vida um pouco melhor. Ele engatinhou no chão de cimento (contrapiso), lembro que fazia remendos em todas as suas calças para fortalecer. Seu carrinho "de bebê" ganhamos (usado) do tio Claudio, tinha sido do Bruce. Não teve andador.
Com apenas alguns meses de vida, levei um susto. O Bruno pegou um resfriado forte. Ele foi  internado às pressas no Hospital Samaritano.Quando chegamos no hospital, a enfermeira o pegou e correu para fazer inalação.  Lembro que ele ficou com a parte de cima do corpo dentro de uma casinha de vidro com oxigênio. Ele me olhava e chorava.
Antes de ele completar 1 ano, voltei a trabalhar para ajudar o Rubens com o nosso primeiro carro (compramos um carro trombado e levamos para uma oficina de funilaria para arrumar). Deixava o Bruno na escolinha antes de ir para o trabalho. Lembro que quando estávamos à uma quadra, ele já reconhecia para onde eu o estava levando, e começava a chorar. Como o ponto era na esquina eu o ouvia chorar e chorava também, no ônibus as pessoas me olhavam. Um dia ele apareceu com a orelha roxa (disseram que ele tinha caído no berço). Não deu outra... O tirei de lá. Comecei então a pagar uma senhora para cuidar dele. Dela ele gostava. Nesse período, que durou menos de 1 ano, não tinha muito tempo para ele. Em casa tinha janta para fazer, fralda para lavar. No fim de semana cuidava da casa e roupas. As roupas ocupavam mais meu tempo afinal, casa sem piso, quintal de terra, fraldas de pano, uniforme do marido (mecânico)... Tinha muita roupa para lavar.
E assim foi durante quase 1 ano, até o carro sair da oficina. E então, finalmente pude me dedicar totalmente ao marido, filho e casa... Como sempre sonhei.
O Bruno tem um gênio forte, quando quer uma coisa é difícil o fazer mudar de idéia, sei que por um lado é bom e por outro ruim, mas nunca me deu trabalho. Mentira... Deu sim.rss
E quando não queria ir à escola? Só ia porque eu o trocava, arrumava a mochilinha e o Rubens o levava, na marra. Tinha dias que a professora chamava a gente para falar que ele simplesmente colocava o material embaixo da carteira e não fazia nada, nada mesmo, nem bagunça. Não atrapalhava os colegas de classe, acredito que esse deve ter sido o motivo para ele nunca ter sido reprovado. Não preciso nem dizer como foram os anos seguintes na escola, né? rss
Sei que nas reuniões de Pais e Mestres,  eu sempre esperava todas as mães falarem, saírem. Só depois eu ia ver como o Bruno estava. E o receio de passar vergonha na frente de todo mundo.
E por ser genioso, quando eu o castigava.... Ele nem ligava.
O Bruno foi crismado no dia 06 de Janeiro de 2008 na "Comunidade Santa Bárbara" ele escolheu para seu padrinho novamente meu irmão Marcos.
Seus aniversários, sempre foram comemorados, mesmo depois que me separei. Aliás só não comemoramos ano passado porque aqui no apartamento é meio difícil juntar a família toda e ele já não faz tanta questão.
O que posso dizer desse meu menino é que é um super companheiro, adora um café (puxou a mãe) tanto que já faz até melhor que eu. Adoro acordar no Domingo com ele me trazendo um cafezinho na cama.
Ele gosta muito de conversar (puxou a mãe, de novo), percebo que as vezes ele fica chateado porque fala comigo e não presto atenção (principalmente quando estou no computador). Digo que estou ouvindo. Ele não acredita e para me sacanear me faz fazer a pergunta que ele fez, só para ver se eu estava mesmo prestando atenção.rss
Ouvir música, disso nem tenho o que falar, acredito que gosta até mais que eu. Atualmente a maioria das músicas que ouço é ele que me faz ouvir, geralmente quer quer eu veja o vídeo também. Dependendo do cantor (a) ele compra até o CD para me dar, e eu adoro tudo isso.
Um dia ele me disse que aprendeu a gostar de músicas comigo, pois além de acordá-los para ir à escola com músicas eu assistia TVZ toda noite no Multi Show. 
Fiquei feliz porque vi que ele está  pegando gosto por leituras (livros) também. Começou vendo gibis, hoje ele até recomenda alguns livros para eu ler.
A primeira coisa que ele fez quando veio morar comigo foi fazer uma assinatura de gibis.
Ah, ele adora e sabe desenhar muito bem. Chegamos a colocar ele em uma escola de desenhistas, mas já viu ele quer desenhar o que quer e não o que mandam. Já falei que ele é genioso?rss
Logo ele vai fazer 22 anos, já está um homem. Namoradas? Sei não.rss Mas já falei que quero netos.
O Bruno sempre foi obediente, meu erro foi dizer que após os 21 anos ele já era responsável pelos seus atos. Infelizmente estes dias ele fez uma tatuagem. Fez escondido, pois sabia que eu não aprovaria, não daria minha permissão. Fiquei alguns dias sem falar com ele. Fiquei chateada, fazer o quê?
Bom, já me estendi demais. Tentei ser breve, porém 21 anos... É muita história pra contar.
E logo mais, a história do Danilo... Meu segundo filho.
Postar um comentário