terça-feira, 31 de março de 2015

Eu sou o mensageiro


Título: Eu sou o mensageiro
Autor: Markus Zusak
Páginas: 318
Editora: Intrínseca
Sinopse: Conheça Ed Kennedy: taxista, patético jogador de cartas, um desastre no amor. Mora numa casinha alugada com seu cachorro viciado em café e está apaixonado pela melhor amiga. seu dia-a-dia é uma rotina de incompetência, até que, sem querer, impede o assalto a um banco. Então recebe a primeira carta: um Ás. É quando Ed se torna o mensageiro...
Escolhido para socorrer, ele segue seu caminho na cidade ajudando - e machucando (quando necessário) - até que resta apenas uma questão: Quem esta por trás de sua missão?
Eu sou o mensageiro é uma jornada enigmática repleta de humor, socos e amor.



***
Esse livro é uma longa história. Tinha comprado um, junto com “A Menina Que Roubava Livros”. Na época o Bruno leu. Eu não. Lembro que ele falou que tinha gostado muito e que um dia compraria um para a sua coleção.
O meu livro eu não sei onde foi parar.
Estava comprando uns livros e vi esse na promoção. Resolvi comprar para dar para o Bruno. Só que antes de entregar para ele, eu iria ler. Foi o combinado.
Então, assim que o livro chegou, comecei a leitura.
E não é que o livro é bom mesmo!! Li-o em menos de duas semanas. Tempo recorde considerando a correria que tem sido os meus dias. Acho até que demorei demais. A gente não consegue parar de ler. Quer saber o que vai acontecer depois, e depois.
Além do que nos conta a sinopse, a diversão de Ed é jogar cartas. Por isso as missões chegam a ele através de cartas. Bom, com o desenrolar da estória, acabamos nos afeiçoando aos personagens. Passamos a ter os mesmos sentimentos do Ed. É o convívio com ele que nos deixa assim.
Cada carta, três missões. Três pessoas a quem ele deve ajudar. Mas, não é simples assim. As cartas são verdadeiros enigmas.  Na primeira carta são três nomes de ruas. Na segunda uma "frase" que leva a mais três nomes. Já a terceira carta são nomes de escritores de livros. E na quarta são títulos de filmes.
Ed fica cada vez mais envolvido e fica na expectativa de quando irá receber a próxima carta, e o que ela trará. Ficamos tão envolvidos que a ansiedade, a expectativa é recíproca.rss
E assim, após terminar a última carta – a última missão, ele finalmente conhece o mentor desse “jogo”.

Markus Zusak conseguiu me cativar, mais uma vez. Gosto muito da sua forma de escrever. Diria que simples. Não requer talento para ler. Além do mais, ele consegue fazer com que fiquemos envolvidos, familiarizados com os personagens. Já sou sua fã.
Postar um comentário