quarta-feira, 26 de julho de 2017

A Cabana

Sinceramente eu não sei o que acontece comigo. Devo ter algum problema! Queria entender porque eu demoro tanto para ler, ver, ou ouvir algo que sei que é bom – que é sucesso.  Se eu sei que é tudo isso, porque resisto tanto?  Sei que não sou de fazer o que a maioria faz. Que gosto de fazer as coisas no meu tempo. Porém, às vezes esse tempo “leva tempo”.rsrs
Fiquei pensando nisso porque finalmente, no Domingo eu assisti ao filme “A Cabana”.  Isso porque antes mesmo dele ser lançado nos cinemas (isso foi em Abril) eu disse que queria muito assistir. Cheguei até a ficar ansiosa pela estreia. Imagine se não tivesse ficado ansiosa? Ah, mas com o livro foi a mesma coisa. Comprei porque sabia que era muito bom. Só Deus sabe quantos anos depois peguei para ler.
Durante o filme e depois que terminou, achei que algumas coisas foram diferentes do livro. Como emprestei o livro para a Eliane, achei melhor vir dar uma olhada no blog ver o que eu tinha escrito, e já aproveitava para ver quando tinha lido. Achei muita coincidência, pois li em 2014. Exatamente no mês de Julho. E o que eu escrevi? Quase nada!
Bom, quanto a não escrever quase nada, fico receosa mesmo. Porque posso dar spoiler. Sei que muita gente não gosta. Se bem que quando se trata de um livro que (quase) todo mundo já leu, não teria problema nenhum falar demais, não é?
Vamos lá... O que eu não lembrava e o que achei que foi diferente. Não me lembrava da Sophia (Sabedoria). Como posso não me lembrar de uma das cenas mais impactantes do filme (e deve ter sido do livro)? Absurdo.rsrs Agora o final foi diferente. No livro, após sair do hospital Mack leva os policiais até o local onde estava o corpo da Missy. Com isso ele “prova” que esteve com Deus. Ou estou enganada? Ou seria o final que eu gostaria que tivesse sido? Sei lá. Só vou saber quando ler o livro novamente. O que, com certeza irei fazer.
Meu termômetro para medir se o filme foi bom são as lágrimas. Ou os risos. Confesso que não chorei muito. Derramei uma ou outra lágrima. Lembro que com o livro fiquei muito mais tensa, envolvida, emocionada. Acho que o ator que interpretou o Mack não conseguiu expressar os sentimentos como eu esperava. Ficou a desejar.
As pessoas falam mesmo, que filme baseado em livro, nunca fica tão bom quanto o livro. Na verdade, também penso assim. É que durante a leitura a gente imagina os personagens (isso quando não vive os personagens), e por geralmente conter mais detalhes, às vezes mais cenas, a gente acaba por absorver melhor o conteúdo. O filme passa em menos de duas horas. Um livro às vezes ficamos horas - ou dias - lendo. Com isso a gente acaba se envolvendo mais.
Porém, um personagem me cativou mais no filme, que no livro.  A atriz Octavia Spencer que interpretou Deus (o Papa) foi encantadora. Quando li o livro, fiquei um pouco decepcionada por Deus se apresentar como uma mulher, e lembro que não fiquei convencida. No filme, o Papa é apaixonante. Já, os outros personagens transmitiram a mesma emoção. Talvez porque o papel de Deus e do Mack fossem os mais importantes, a gente acaba cobrando mais. No fim, um compensou o outro. Sem mais delongas... Filme bom. Livro melhor ainda.
Postar um comentário