terça-feira, 12 de março de 2013

Pequenas chateações

Marina está chateada. Poderia não ter ficado mas é humana, mulher. Por mais que pense ou diga que isso ou aquilo não a afeta, é mentira.
Quando se conheceram Marina já estava separada, Carlos também. Ela já contava entre separação, uma breve reconciliação e o definitivo divórcio mais de quatro anos.
Ele não se lembra ao certo, talvez o mesmo tempo que ela.  Disse que houve uma primeira separação, uma reconciliação e depois de alguns anos outra separação.
Carlos viveu muitas aventuras, alguns romances, muitas desilusões. Diante disso ela sempre achou que ele podia estar enganado, que devia estar separado há muito mais tempo.
Amores do passado não a incomodariam e pensando assim  não hesitou ao seu pedido para morarem juntos.
Carlos conheceu os filhos e a família dela. Todos o aceitaram muito bem, inclusive logo mandaram convite para serem amigos em uma rede social.
Marina conheceu os filhos e a família dele. Pareceu que a aceitaram bem, mas ninguém mandou convite para amizade na mesma rede social. Ela acredita que isso ocorre porque a ex-mulher dele está presente na “lista de amigos” de todos.
Marina sabe como é, já passou por isso. Seus filhos têm a mulher do ex-marido na lista de amigos e, às vezes acaba tendo que ver o que ela escreve para eles, situação chata, constrangedora. Por isso ela entende e respeita a situação.
Marina passou por algumas outras chateações, como não poder ir na casa da sogra no “Dia das Mães”, porque provavelmente a ex-mulher do Carlos poderia estar lá, o mesmo ocorreu na véspera de Natal.
Mas o amor que ela tem por ele superou estes mínimos obstáculos. Durante este período, ficaram noivos e, com planos de casamento, Carlos providenciou o divórcio.
Passados pouco mais de um ano, se casaram. Marina percebeu no dia do casamento, que provavelmente a ex-mulher dele ainda nutria esperanças de uma reconciliação. Marina sente muito, acha que ela devia ter se manifestado enquanto Carlos estava sozinho.
Os filhos dele, que a princípio tinham aceitado serem padrinhos, desistiram na semana do casamento. Compareceram somente na recepção, menos mal.
Marina preparou um vídeo com as fotos do casamento. Carlos compartilhou no mural (rede social) do filho. O filho excluiu a publicação. Provavelmente para a mãe não ter que ver. E mais uma vez Marina deve respeitar e entender.

Diante de tudo isso... Marina ficou chateada, coisa boba. Poderia não ter ficado mas é humana, mulher. Por mais que pense ou diga que isso ou aquilo não a afeta, é mentira.
Postar um comentário