terça-feira, 19 de março de 2013

Alô Dolly!

Fomos no último Sábado dia 16 assistir esta peça que está em cartaz no Teatro Bradesco, localizado no 3º piso do Shopping Bourbon em São Paulo.

Sobre a peça:

Uma comédia musical para toda a família, Alô Dolly! é até hoje um dos musicais de maior êxito da história da Broadway.

Baseado na peça The Matchmarker - A casamenteira, com texto de Michael Stewart e letras e músicas de Jerry Herman, Alô, Dolly! estreou na Broadway em 1964 arrebatando nada menos do que 10 Prêmios Tony, entre eles o de Melhor Musical, Melhor atriz (Carol Channing), Melhor Libreto, Melhor Trilha, Melhor Direção e Melhor Coreografia. O musical já foi remontado três vezes na Broadway, além de ter versões no mundo inteiro, inclusive no Brasil, com Bibi Ferreira e Paulo Fortes. Gerou ainda um filme estrelado por Barbra Streisand, com direção de Gene Kelly, e indicado a sete Oscars.

A ação de Alô, Dolly! se passa em 1890, no estado de Nova Iorque, e conta a história de Dolly Levi (Marilia Pêra), uma célebre viúva casamenteira que é contratada pelo avarento e mal-humorado comerciante de Yonkers, Horácio Vandergelder (Miguel Falabella), para lhe arranjar uma esposa na cidade grande (na capital Nova Iorque). Dolly o apresenta a Irene Molloy (Alessandra Verney),mas inicia uma série de armações, quando decide que ela mesma conquistará o bom partido e ficará rica.

O musical destaca ainda o jovem Cornélio Hackl (Frederico Reuter), funcionário de Horácio que se apaixona por Irene. Ele está sempre metido em confusões com seu fiel escudeiro Barnabé Tucker (Ubiracy Paraná do Brasil). Além de tentar garantir seu próprio casamento, Dolly também resolve ajudar Ambrósio Kemper (Thiago Machado) a namorar Ermengarda (Brenda Nadler), sobrinha de Horácio, que faz forte oposição ao romance, já que o rapaz é pobre.

O elenco conta ainda com Ricardo Pêra, Ester Elias e Patrícia Bueno, além de um ensemble formado por 14 atores (sete homens e sete mulheres) e cinco bailarinos. São 29 atores em cena e uma orquestra com 16 integrantes, sob a direção musical de Carlos Bauzys. A superprodução tem cenários de Renato Theobaldo e Roberto Rolnik e quase uma centena de figurinos criados por Fause Haten. A ficha técnica traz ainda os renomados Fernanda Chamma (coreografia) e Paulo Cesar Medeiros (iluminação).

****
1-    O Zé fez as reservas no dia 20/02. Mais uma vez fizemos um passeio organizado pela Trondi Turismo que aliás é uma agência que indico porque além de ser muito organizada, promove passeios para eventos muito legais, e oferece um “serviço de bordo” delicioso. Escrevi sobre isso nos comentários da postagem do musical “Hair”.
2-    Não conhecia o Shopping Bourbon, menos ainda o Teatro Bradesco. Os dois são “de tirar o chapéu”.
3-    Como chegamos com uma horinha de antecedência deu para conhecermos o Shopping e tomarmos um cafezinho.
4-    A sessão começou às 18h, com mais de 2h de duração (o que nem pareceu, de tão bom que foi) com um pequeno intervalo.
5-    Quanto à peça, só indo ver mesmo. Vale cada centavo (e um pouco mais) pois tudo é maravilhoso: as músicas, as danças, o cenário, o figurino (cada vestido), os atores são um verdadeiro espetáculo a começar por Marília Pêra e Miguel Falabella. Se eu já admirava os dois, agora então. Eles são “divinos” como atores e olha, deixam muitos cantores pra trás, pois cantam demais! Miguel Falabella como já era de se esperar faz seus companheiros(as) rirem com suas caras e bocas. Eu fiquei deslumbrada, dei muitas risadas, me emocionei muito e no fim, chorei. Tem coisas que palavras, fotos não conseguem expressar e neste caso, estou sem os dois. Ainda me emociono ao lembrar, um espetáculo realmente... inesquecível!
Postar um comentário