terça-feira, 2 de agosto de 2016

Um ano sem meu pai!


Oi pai. A sua benção. Saudade imensa!
Hoje faz um ano que o senhor partiu. Que o senhor nos deixou, na saudade.
Eu me lembro de cada segundo daquele dia 02 de agosto de 2015. Desde o momento que a Karen me ligou, até eu chegar à sua casa. O trajeto pareceu durar uma eternidade. Ainda dói.
Sua partida foi uma surpresa para todos nós. Eu que tinha visto o senhor na tarde do dia anterior. Jamais ia imaginar. O senhor não deu nenhum sinal de que aquele aperto de mão seria o último.
A gente está aprendendo a viver sem a sua presença. Falamos pouco do senhor. Para não cutucar a ferida. Tenho visto o senhor em fotos, na casa dos parentes. Eu tinha uma no porta-retratos de casa. Tirei assim que o senhor partiu. Tirei e ainda não recoloquei. Ainda não estou preparada.
No início eu sonhava com o senhor. Até o dia que (no sonho) uma luz muito forte o acompanhava. Naquele dia imaginei que não sonharia mais com o senhor. Para mim, aquela luz significava o senhor indo para o céu! Ou ao menos deixando de vez a gente. Eu, pelo menos.
Foi difícil. Muito difícil. Para todos! Acredito que para a mãe e o Nego mais ainda, afinal eles ficaram na casa. 
Mas o espetáculo (da vida) tinha que continuar, não é? Tínhamos que continuar a nossa vida, então prosseguimos...
Continuamos comemorando os aniversários. Aliás, agora com mais intensidade. Com mais presença. Para um dia não nos arrependermos por termos deixado de compartilhar momentos com as pessoas que amamos.
O primeiro foi o da Letícia, no dia 12/08. Imagine como foi difícil pra gente. Somente 10 dias depois que o senhor tinha partido. Foi um teste para todos. O coração ainda apertado, mas a gente sabia que o senhor não ia querer que a gente ficasse triste pelos cantos.
Ainda em Agosto, no final do mês, foi a festa do aniversário da Adriana, Bruno, Dudinha e Nicolas. Foi em uma chácara. Essa festa eles estavam programando antes mesmo do senhor partir. Quase desistiram...
Incentivamos a mãe a reformar a cozinha. Ela trocou os armários, a pia, a porta. O vitrô do banheiro. Cada um ajudou como podia. Fazer isso a ajudou a distrair e com isso sentir menos a sua falta.
E assim o tempo foi passando.
E o Natal? Como seria passar o dia do seu aniversário sem o senhor. A Shirlei desabou uns dias antes. Com certeza todos estavam sofrendo. No dia comemoramos. Não como nos anos anteriores. Não tinha como. Ficamos tristes. E tinha outro jeito?  Mas deu tudo certo. Sobrevivemos. Mais uma vez!
E o ano fechou com uma coisa boa. No dia 27 de Dezembro o Marcos foi ordenado Diácono. A cerimônia foi linda!
Dias depois, a tia Danúzia – sua irmã - veio passar o ano novo com a gente. Foi muito bom tê-la conosco. O Sandro comprou os fogos. Achei que não ia ter, mas, no final da tarde do dia 24, ele falou que ia comprar. No momento dos fogos, ao olhar para o céu, eu pensei no senhor. Sabia o quanto o senhor gostava! Queria que o senhor estivesse ali, naquele momento, então ofereci os fogos ao senhor!
Tivemos o momento da oração. E nesse momento vi o quanto somos fortes. O quanto Deus está nos dando forças.
E acolhemos 2016 com muito respeito. E Que ele nos traga somente coisas boas. E se vierem coisas ruins, como 2015, que saibamos superar.
Os grandes momentos desse ano foram: A festa de aniversário da mãe e o casamento do Sérgio e Karen.
A festa da mãe foi no dia 24 de Abril. Foi uma big festa para comemorar o aniversário de 80 anos dela. Foi em um Buffet. Ela ficou muito feliz. Parecia uma criança. Só faltou o senhor para a felicidade dela – e nossa – ter sido completa.
Em Junho, no dia 02 o Sérgio e a Karen casaram no civil. O Sergio animou e agora está preparando a papelada para casar no religioso. E eu e o Zé estamos vendo de casar também.
Bom pai. É isso. Só queria contar tudo o que se passou na sua ausência. Saiba que o senhor está presente na mente e no coração de cada um de nós.
E eu sou muito agradecida a Deus pela força que têm me dado, passando tranquilidade e acalentando o meu coração, quando a saudade bate forte.

Postar um comentário